Roteiro Cela da Cave da Courmayeur Espumantes e Vinhos, em Garibaldi (RS)

Parte industrial da Vinícola Courmayeur. Foto: Kelly Pelisser

A Courmayeur Espumantes e Vinhos, de Garibaldi (RS), me convidou para conhecer o novo roteiro enoturístico deles chamado Cela da Cave. O passeio foi pensado a partir da cave subterrânea da vinícola, onde estão guardados os vinhos antigos e que parece uma cela. A ideia é conhecer a empresa e refletir sobre a liberdade e nossas prisões (incluindo aqui, as prisões mentais). O roteiro inclui cinco paradas pela vinícola e, em cada uma, um rótulo de vinho ou espumante é degustado. A Courmayeur fica na linha Garibaldina, entre Garibaldi e Bento Gonçalves, próximo ao Vale dos Vinhedos. Um dos acessos é pela BR-470, por uma estrada asfaltada. Outro é pelo próprio Vale dos Vinhedos.

Uma das paradas é em um flamboyant lindo! Foto: Kelly Pelisser

A primeira parada do passeio é num ponto ao ar livre, com um pergolado e vista para o entorno. Depois, a visita para em um jardim com um flamboyant (árvore) lindo! Na sequência, o visitante conhece os tanques onde são produzidos os vinhos. Então, chega a parte mais importante do passeio, entrar na cave que parece uma cela. Lá, estão vinhos bem antigos. O ambiente parece aquelas prisões de filmes de época. Hehehe. Ali é o provado o vinho mais singular da Courmayeur, um lambrusco! É um vinho frisante tinto, comum na Itália. No Brasil, possivelmente a Courmayeur seja a única empresa a produzi-lo. O último ponto de parada é o varejo da vinícola. Em cada lugar por onde o passeio passa estão placas com frases de pensadores famosos sobre liberdade.

A cela onde os vinhos estão aprisionados na cave. Foto: Kelly Pelisser

O passeio dura em torno de 50 minutos e pode ser feito nas sextas, sábados e domingos, às 11h ou 15h. Mas é necessário agendamento prévio. Em outros dias, se houver um grupo, também é possível negociar com a vinícola o passeio. O valor é R$ 35 por pessoa, incluindo uma taça linda que o visitante pode levar para casa.

Bistrô La Fermata, junto à Courmayeur. Foto: Kelly Pelisser

 

A loja da vinícola funciona de segunda a domingo, inclusive feriados, das 9h30min às 17h. Ah, a vinícola fica num ambiente de zona rural, mas não há vinhedos ali ao lado. A produção de uvas própria da Courmayeur fica em outra localidade de Garibaldi. Junto ao varejo da vinícola, fica o Bistrô La Fermata, um lugar lindo, com paredes de vidro, super iluminado e aconchegante, onde é possível fazer refeições aos sábados e domingos, das 10h30min às 17h. O bistrô oferece um cardápio com lanches, opções para almoço, sobremesas, drinks e, claro, os vinhos da casa. O menu conta com petiscos, tábuas de frios, sanduíches, pizzas (incluindo de copa e figo, e ragu de ossobuco e rúcula), escondidinhos, brusquetas, opções para almoço de criança, além de brownie, petit gateau e tortas. Os sanduíches saem por até R$ 20, as pizzas custam R$ 42 e os escondidinhos de R$ 25 a R$ 28. As sobremesas custam entre R$ 15 e R$ 20. O bistrô também recebe eventos à noite, incluindo casamentos e formaturas. Nós almoçamos lá algumas opções que não estão no cardápio habitual, mas que são servidas em eventos: uma salada de folhas com presunto de parma, figo e redução de balsâmico e mel, polenta cremosa com provolone, ragu de ossobuco ao vinho tinto e, de sobremesa, gateau La Fermata com doce de leite e nozes. Tudo muito maravilhoso!

Em cada ponto, são degustados vinhos diferentes. Foto: Kelly Pelisser

A vinícola tem uma vibe muito boa, com muito verde, passarinhos cantando no entorno, é de super fácil acesso. A Courmayeur é um lugar encantador e que vale a pena conhecer!

Courmayeur Espumantes e Vinhos

Onde fica: Avenida  Garibaldina, 32, acesso secundário ao Vale dos Vinhedos, Garibaldi (RS). Uma das entradas é pela BR-470, já em direção a Bento Gonçalves. A outra é pelo Vale dos Vinhedos mesmo. A estrada é asfaltada.
Quando: o roteiro Cave da Cela recebe visitantes nas sextas, sábados e domingos, às 11h e às 15h, mas necessário reserva antecipada. A duração do passeio é de aproximadamente 50 minutos. É possível realizar a visita em feriados, com agendamento prévio.
Quanto: R$ 35, incluindo a taça personalizada e a degustação de cinco rótulos
Outras informações e reservas: pelo telefone (54) 3463.8517, pelo e-mail turismo@courmayeur.com.br ou no site www.courmayeur.com.br/contato

 

 

Família Lemos de Almeida Vinhas e Vinhos, nos Campos de Cima da Serra

Vinhedos ficam no município de Muitos Capões. Foto: Kelly Pelisser

Conheci a vinícola Família Lemos de Almeida Vinhas e Vinhos, nos Campos de Cima da Serra. A empresa tem um varejo bem no Centro de Vacaria e os vinhedos ficam no interior de Muitos Capões. O empreendimento está localizado na Fazenda Santa Rita, que dava nome à vinícola. Mas a denominação foi alterada para dar mais destaque à família proprietária e suas origens açorianas. O lugar é lindíssimo, com vinhedos cultivados pelo sistema espaldeira, um lago e construções que são réplicas de prédios icônicos da cultura dos Açores.

Área de 12 hectares tem oito variedades de uvas. Foto: Kelly Pelisser

A vinícola existe desde 2016, mas a primeira safra foi em 2012. São 12 hectares de vinhedos, onde são plantadas oito variedades. Nesse ano, a casa lançou quatro vinhos de castas portuguesas: Alvarinho, Touriga Nacional, Tinta Roriz e Verdelho. Há todo um cuidado com a pré-seleção dos melhores cachos e grãos ainda nos vinhedos nas semanas que antecedem a colheita. A vinícola não tem mesa de seleção no recebimento das uvas – como é comum, porque todo esse trabalho já foi feito direto no pé da fruta. Eles também investem em pesquisa, com pequenos tanques onde testam os melhores processos e cortes. Há ainda um laboratório que faz centenas de análises e aponta, entre outras coisas, o ponto ideal de maturação da uva para a colheita. A Lemos de Almeida também é autossustentável e investe em energia solar e no tratamento dos resíduos lá mesmo. Por exemplo, resíduos sólidos viram compostagem.

Prédio principal da vinícola faz homenagem à construção de Florianópolis da cultura açoriana. Foto: Kelly Pelisser

A casa conta com 17 vinhos e espumantes. Eles podem ser comprados nos dois varejos, um no centro de Vacaria e outro junto aos vinhedos. Na fazenda, há prédios lindos que reproduzem construções feitas por açorianos. O prédio da vinícola é uma homenagem à antiga alfândega, de Florianópolis. Há ainda uma capela que remonta a igrejinha construída por açorianos também na capital de Santa Catarina, na Lagoa da Conceição. A vinícola conta ainda com um moinho de vento, réplica de uma construção localizada em uma das ilhas dos Açores.

Igreja em homenagem à Santa Rita, também réplica de prédio de Florianópolis. Foto: Kelly Pelisser

Para visitar os vinhedos, é necessário agendamento. Grupos com 12 pessoas ou mais podem combinar o passeio. Mas a casa também oferece uma data, de tempos em tempos, onde qualquer pessoa (mesmo estando sozinho ou num casal, por exemplo) pode fazer o agendamento. O passeio sai do varejo da vinícola, em Vacaria, e vai até Muitos Capões (são 40 minutos a partir de Vacaria, sendo que há uns 12 quilômetros de estrada de chão). Nos vinhedos, o turista passeia num trenzinho puxado por um trator e conhece as construções e a história da família Lemos de Almeida, assim como a da própria imigração açoriana para o Sul do país. A visita custa R$ 80 por pessoa (sendo que R$ 20 são revertidos em produtos no varejo). O lugar não tem restaurante ou pousada, mas há planos de construir esses espaços no futuro.

Moinho réplica de construção dos Açores. Foto: Kelly Pelisser

O passeio é encantador. O lugar é realmente lindo e os produtos da vinícola são ótimos! Vale a pena explorar esse canto do Rio Grande do Sul nem tão conhecido dos turistas. É garantia de deslumbramento e de ótimas fotos.

Pôr do sol. Foto: Kelly Pelisser

Mais uma do fim do dia. Foto: Kelly Pelisser

Prédio principal da vinícola faz homenagem à construção de Florianópolis da cultura açoriana. Foto: Kelly Pelisser

Família Lemos de Almeida Vinhas e Vinhos

Onde fica: o varejo da vinícola (de onde saem os passeios para os vinhedos no interior de Muitos Capões) fica na Av. Militar 858, Centro, Vacaria, RS

Telefone: (54) 3232.0563

Mais: Facebook da Lemos de Almeida

Tasting Day, sunset enogastronômico open bar e open food, na Casa Perini, em Farroupilha (RS)

A Casa Perini, vinícola de Farroupilha (RS), está organizando o Tasting Day, sunset enogastronômico open bar & open food. Show, né? Vai rolar no sábado, dia 10 de novembro, das 16h às 22h, lá nos jardins da Perini. Claro, vai ter uma seleção exclusiva com mais de 30 vinhos e espumantes da marca, além de drinks especiais, cerveja Matarelo e ilhas de comidinhas. A função conta com uma ilha exclusiva Gramberg (de embutidos e cortes suínos), ilha de pães, queijos e antepastos, ilha de pratos quentes e ilha de sorvetes. Só coisa boa!

Os ingressos custam R$ 190 e podem ser adquiridos no Empório Casa Perini em Farroupilha (sem taxa de conveniência), no site www.ticketmais.com.br/evento/view/32745/casa-perini-tasting-day / (com taxa de conveniência), nas lojas GANG de Caxias do Sul e de Porto Alegre, Academia Prime Fitness, loja Boarstore de Farroupilha e loja Guria Guria de Bento Gonçalves (com taxa de conveniência). Em caso de previsão de tempo instável, o evento será transferido para dia 24/11 (mas eu já olhei e tem previsão de um super sol nesse dia!).
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/520490721696301/

Picnic da Vinícola Don Giácomo, em Caxias do Sul (RS)

Picnic na vinícola Don Giácomo é armado no quintal do estabelecimento no bairro Colina Sorriso, em Caxias. Foto: Kelly Pelisser

A Vinícola Don Giácomo,de Caxias do Sul (RS), está oferecendo a partir desse mês um picnic no gramado ao lado do estabelecimento. O mais legal é que a vinícola fica na área urbana de Caxias, no bairro Colina Sorriso, a uns cinco quilômetros do Centro, pertinho da Pizzaria Giordani ou dos Pavilhões da Festa da Uva. Então, é uma opção interessante tanto para moradores de Caxias quanto para turistas. O picnic funciona somente sob agendamento e pode ser feito em qualquer dia da semana ou fim de semana a partir de duas pessoas.

Pizza é uma das opções do picnic. Foto: Kelly Pelisser

As opções são pizzas (de sabores diversos, quatro queijos, calabresa, frango) ou uma tábua de frios, com queijos, salame, azeitona, pães. Se a opção for apenas uma pizza, ela serve duas pessoas. Os clientes também escolhem qualquer produto da vinícola. Há vinhos comuns e finos, espumantes, e suco de uva tinto, branco e rosé. Os preços variam conforme a escolha das comidas e dos vinhos. A pizza, para se ter uma ideia, custa R$ 30, e os vinhos tem opções a partir de R$ 16.

O gramado é enorme e fica no pátio onde a família proprietária da vinícola reside. Nele, é montado um pequeno tablado com pallets de madeira, que ganham uma cobertinha colorida e cesta de picnic com os produtos. Tudo bem simples, mas caprichado.

Vinícola também tem varejo. Foto: Kelly Pelisser

A vinícola fica bem ao lado, também é possível visitá-la e conhecer um pouco da produção. Na parte da frente, funciona um varejo que atende todos os dias (nos domingos, apenas pela manhã), e vende os produtos da vinícola e também geleias de frutas produzidas no distrito de Fazenda Souza, da marca Morada das Frutas (provei e adorei a de bergamota, que deve super combinar com espumante ou até como calda de sorvete).

A vinícola também oferece serviço de spa day, num espaço montada na garagem de uma das casas do terreno, com opções variados, como massagem, spa das mãos e tratamento facial, alguns feitos com produtos à base de uva, também sob agendamento.

Conheci o lugar no dia do lançamento dessas novas opções de enoturismo e achei tudo bem simpático e acolhedor. Vale a pena visitar. É um lugar diferente e bem pertinho do centro. E é muito legal que as vinícolas de Caxias estejam investindo também em turismo. Então, vamos prestigiar.

 

Vinícola Don Giácomo

Onde fica: Rua Rosalimbo Guerra, 450, bairro Colina Sorriso, Caxias do Sul (RS)

Horários: o picnic é feito apenas sob agendamento em qualquer dia, da semana ou fim de semana. O varejo da vinícola atende de segunda a sábado e feriados, das 9h às 18h, e nos domingos, das 9h às 12h.

Contato: (54) 3211.3511 ou pelo WhatsApp (54) 99903.3409.

Mais: página no Facebook

Tour Sabor e Fé, na Adega Chesini, em Farroupilha (RS)

Varejo da Adega Chesini. Foto: Kelly Pelisser

A Adega Chesini, uma vinícola familiar localizada na comunidade de Vila Rica, em Farroupilha (RS), lançou um tour chamado Sabor e Fé, que apresenta o empreendimento com uma visão diferente do que estamos acostumados a ver em outros passeios turísticos desse tipo e com um cardápio que também foge do convencional da região, com uma refeição inspirada na Bíblia. O mote do passeio é a religiosidade, a conexão com algo mais profundo em nosso interior. O tour é feito apenas para grupos, sob agendamento aos sábados.

Antiga roda d’água. Foto: Kelly Pelisser

Enoteca da Chesini. Foto: Kelly Pelisser

Fonte e imagem de Santa Lúcia, responsáveis pelo milagre. Foto: Kelly Pelisser

O Sabor e Fé se inicia no varejo da vinícola, por volta das 11h30min, quando os visitantes conhecem um pouco mais sobre a casa. Fundada nos anos 1970, a vinícola inicialmente produzia só vinhos comuns, depois, nos anos 2000, passou a fabricar vinhos finos, incluindo espumantes pelo método tradicional. A Chesini também é uma das poucas vinícolas que produzem vinho canônico, aquele utilizado pelos padres nas missas (é um vinho rosé, feito com uvas Isabel, licoroso – doce -, e muito alcoólico – 16 graus). O visitante conhece a área de produção, onde foram conservadas também as antigas pipas de madeira (que não são mais utilizadas) em meio aos tanques modernos de inox. A Chesini conta ainda com uma enoteca, onde estão guardados vinhos de safras anteriores, e um pequeno museu com objetos antigos.

Mesas postas para o almoço em meio aos tanques de inox. Foto: Kelly Pelisser

Pães incluem um sem fermento, como nos tempos bíblicos. Foto: Kelly Pelisser

Mas o lugar também guarda uma história bem especial, que é um dos pilares do passeio: um milagre que teria acontecido na propriedade. Em 1932, ainda antes da vinícola, a família Chesini era proprietária de um moinho e de uma ferraria. Um dos irmãos do depois fundador da vinícola, chamado Eduardo, foi atingido por limalha de ferro nos olhos enquanto trabalhava na ferraria. Os médicos deram o diagnóstico: ele havia ficado cego para sempre. A família buscou na religiosidade o consolo: fez uma novena para Santa Lúcia, a santa protetora dos olhos, e todos os dias, Eduardo lavava o rosto em uma fonte que fica na propriedade. E a graça pedida foi alcançada: ele voltou a enxergar. A família construiu um capitel em homenagem à santa e o padre que foi abençoá-lo batizou a comunidade, que ainda não tinha nome, como Vila Rica, pela riqueza da fé dos seus habitantes. O visitante do Sabor e Fé conhece essa história, assim como a roda d’água que tocava o moinho e a ferraria, e a fonte onde Eduardo lavou os olhos ao lado de uma imagem de Santa Lúcia pintada em azulejos.

Momento de partilha do pão e do vinho. Foto: Kelly Pelisser

Depois disso, há um momento de partilha do pão e do vinho (o canônico), com leitura de algumas passagens bíblicas, e também a lavagem das mãos com água, para que cada um pense o que deve purificar em si. O momento é acompanhado de canções ao violão tocadas e cantadas por um jovem de 14 anos da comunidade. Finalizada essa parte, os visitantes são convidados ao almoço em mesas postas junto às pipas onde são produzidos os vinhos da vinícola. Todos os pratos têm ingredientes citados em passagens bíblicas. Para começar, entradinha com pães e patê com ervas (muito gostoso mesmo). No almoço, são servidos pães, inclusive um sem fermento (assim como nos tempos de Jesus), um peixe recheado (com um tempero divino, com o perdão do trocadilho), lentilhas, arroz e salada. De sobremesa, tem pera ao molho de vinho. Claro, todos os pratos são harmonizados com produtos da vinícola, incluindo um moscato e um moscatel, já que Farroupilha tem indicação de procedência para vinhos produzidos com essa uva. Também são colocados à mesa suco de uva integral, água e um cabernet sauvignon. A experiência é muito válida e interessante por ser diferente de outros tours oferecidos por vinícolas na região. O passeio é cheio de simplicidade e beleza, assim como a pequena vinícola. Apesar de ter o mote da religiosidade (e da religião católica, em especial), não tem clima de pregação, apenas de reflexão sobre questões espirituais.

Entradinha com patê de ervas. Foto: Kelly Pelisser

Peixe como prato principal. Foto: Kelly Pelisser

O Sabor e Fé está disponível para grupos de 12 a 25 pessoas, com agendamento prévio, pelo valor de R$ 95 por pessoa.  Mais informações pelo telefone (54) 3464.2424 ou pelo e-mail visitas@adegachesini.com.br. A comunidade de Vila Rica, onde está a vinícola, pode ser acessada na estrada velha que liga Farroupilha a Garibaldi, (inclusive é muito mais próxima de Garibaldi do que do centro de Farroupilha), nas proximidades do Desvio Blauth e do parque da Fenachamp. A Chesini fica bem ao lado da igreja da comunidade.

Sobremesa de pera ao vinho. Foto: Kelly Pelisser

Gran Vin, vinho ícone da Adega Chesini é, realmente, espetacular. Foto: Kelly Pelisser

Cardápio

Antepasto: Patê de manteiga com ervas finas. Saladas: Alface com frutas secas e azeitona; Ervas amargas (radicci e rúcula). Pratos quentes: Peixe recheado assado, arroz e lentilha. Acompanhamentos: Pães e farofa. Sobremesa: Pera ao vinho tinto com calda de mel.

Bebidas

Vinho Rosado Licoroso; Vinho Branco seco Moscato (IP Farroupilha); Vinho Branco seco Lorena; Vinho Tinto Seco Cabernet Sauvignon; Espumante Moscatel; Suco de Uva integral; Água.

Vinícola Simonetto, Veranópolis, RS

Foto: Vinícola Simonetto, divulgação

A Vinícola Simonetto, de Veranópolis (RS), é um daqueles lugares que merece ser visitado, principalmente se você gosta de vinhos e quer conhecer outros roteiros, além dos já tradicionais. A família se preparou para bem receber os turistas. Ao entrar na vinícola, a primeira parte é o varejo, onde são vendidas as bebidas e geleias produzidas pela família, mas também há outros itens, como sabres e acessórios para vinho, cremes para o corpo e mãos, e aromatizantes para a casa. A Simonetto produz vinhos finos e de mesa, espumantes moscatel, brut (pelo método charmat e pelo tradicional), sucos de uva e de maçã e geleia de maçã, figo e pimenta. Entre os vinhos, destaco o Tannat deles, que é maravilhoso, e um vinho que é exportado para o Japão. A bebida que vai para o continente asiático tem o rótulo todo em japonês e é feita de uva Isabel, embora não pareça, já que é um rosé bem levinho. Os japoneses descobriram a vinícola depois de pesquisas de universidades que avaliaram por que Veranópolis tem uma expectativa de vida mais elevada que a média brasileira (e uma das explicações é o consumo moderado de vinho).

A visita, que inclui degustação de produtos, custa R$ 10 por pessoa. Grupos devem ser agendados. Na vinícola, é possível aprender a fazer sabrage, a técnica, que dizem que foi inventada por Napoleão Bonaparte, de degolar a garrafa com um sabre. Eu aprendi lá a fazer, ainda na época da última Femaçã, e fiz de novo na última visita. Eu acho bem tranquilo. Depois, aprimorei a técnica e faço a degola da garrafa também utilizando a base de uma taça de vidro. Serve para impressionar as pessoas. Ahaha. Fazendo direitinho, não tem perigo e o bico da garrafa sai inteiro, não tem risco de cair vidro dentro. Depois, na vinícola, eles te dão esse gargalo degolado dentro de uma caixinha com plástico na parte superior, para você levar de lembrança com a inscrição “Sabrage da Longevidade”.

O atendimento na vinícola é super especial, feito pela própria família, o que dá uma caráter bem mais aconchegante à visita. É uma experiência que vale a pena.

 

Vinícola Simonetto

Onde: à 2km da BR 470, Km 184, nº 1730, Monte Bérico, Veranópolis, RS

Horários: visitação, degustação e varejo, de terça a sexta-feira, das 13h30min às 18h; sábados, domingos e feriados, das 9 às 11h30min e das 13h30min às 18h.

Mais: site e Facebook

 

Dal Pizzol Day Festival no dia 20 de maio, em Bento Gonçalves (RS)

Foto: Gilmar Gomes, divulgação

A Dal Pizzol, vinícola no distrito de Faria Lemos em Bento Gonçalves (RS), vai promover no dia 20 de maio a 2ª edição do Dal Pizzol Day Festival. É um encontro que reúne vinhos e espumantes, gastronomia, música, motos e carros antigos. O evento, que inicia às 11h e segue até às 19h, na área destinada a turismo da vinícola, na Rota Cantinas Históricas. Para quem não conhece, é um espaço em meio a natureza, com lagos, árvores e animais (como pavões e gansos), muito lindos. Ali também fica um museu do vinho, o varejo da vinícola e o vinhedo do mundo (que tem parreiras de vários países). O ingresso pode ser adquirido na hora e custa R$ 15, com direito a uma taça personalizada e uma dose de vinho ou espumante ou suco de uva.

Integrando as comemorações do Dia do Vinho, o Dal Pizzol Day Festival oferece um cardápio com vinhos, espumantes e suco de uva Dal Pizzol, além de hambúrgueres, sanduíches, mini pizzas, panchos, massas, batatas e frios da Estação Café Blauth e os cupcakes da mini chef Maria Carolina. A programação inclui música ao vivo, exposição de carros antigos e participação de moto-clubes. Quem desejar pode levar cadeiras, cangas e almofadas.

A agenda musical é na parte da tarde e fica por conta das bandas Monty Python Band e Dan Ferreti. Haverá, também, a presença de carros antigos do Veteran Car  Vinhedos e moto grupos. Em caso de chuva forte o evento será transferido.

 

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1667076666929819/