Tour Sabor e Fé, na Adega Chesini, em Farroupilha (RS)

Varejo da Adega Chesini. Foto: Kelly Pelisser

A Adega Chesini, uma vinícola familiar localizada na comunidade de Vila Rica, em Farroupilha (RS), lançou um tour chamado Sabor e Fé, que apresenta o empreendimento com uma visão diferente do que estamos acostumados a ver em outros passeios turísticos desse tipo e com um cardápio que também foge do convencional da região, com uma refeição inspirada na Bíblia. O mote do passeio é a religiosidade, a conexão com algo mais profundo em nosso interior. O tour é feito apenas para grupos, sob agendamento aos sábados.

Antiga roda d’água. Foto: Kelly Pelisser

Enoteca da Chesini. Foto: Kelly Pelisser

Fonte e imagem de Santa Lúcia, responsáveis pelo milagre. Foto: Kelly Pelisser

O Sabor e Fé se inicia no varejo da vinícola, por volta das 11h30min, quando os visitantes conhecem um pouco mais sobre a casa. Fundada nos anos 1970, a vinícola inicialmente produzia só vinhos comuns, depois, nos anos 2000, passou a fabricar vinhos finos, incluindo espumantes pelo método tradicional. A Chesini também é uma das poucas vinícolas que produzem vinho canônico, aquele utilizado pelos padres nas missas (é um vinho rosé, feito com uvas Isabel, licoroso – doce -, e muito alcoólico – 16 graus). O visitante conhece a área de produção, onde foram conservadas também as antigas pipas de madeira (que não são mais utilizadas) em meio aos tanques modernos de inox. A Chesini conta ainda com uma enoteca, onde estão guardados vinhos de safras anteriores, e um pequeno museu com objetos antigos.

Mesas postas para o almoço em meio aos tanques de inox. Foto: Kelly Pelisser

Pães incluem um sem fermento, como nos tempos bíblicos. Foto: Kelly Pelisser

Mas o lugar também guarda uma história bem especial, que é um dos pilares do passeio: um milagre que teria acontecido na propriedade. Em 1932, ainda antes da vinícola, a família Chesini era proprietária de um moinho e de uma ferraria. Um dos irmãos do depois fundador da vinícola, chamado Eduardo, foi atingido por limalha de ferro nos olhos enquanto trabalhava na ferraria. Os médicos deram o diagnóstico: ele havia ficado cego para sempre. A família buscou na religiosidade o consolo: fez uma novena para Santa Lúcia, a santa protetora dos olhos, e todos os dias, Eduardo lavava o rosto em uma fonte que fica na propriedade. E a graça pedida foi alcançada: ele voltou a enxergar. A família construiu um capitel em homenagem à santa e o padre que foi abençoá-lo batizou a comunidade, que ainda não tinha nome, como Vila Rica, pela riqueza da fé dos seus habitantes. O visitante do Sabor e Fé conhece essa história, assim como a roda d’água que tocava o moinho e a ferraria, e a fonte onde Eduardo lavou os olhos ao lado de uma imagem de Santa Lúcia pintada em azulejos.

Momento de partilha do pão e do vinho. Foto: Kelly Pelisser

Depois disso, há um momento de partilha do pão e do vinho (o canônico), com leitura de algumas passagens bíblicas, e também a lavagem das mãos com água, para que cada um pense o que deve purificar em si. O momento é acompanhado de canções ao violão tocadas e cantadas por um jovem de 14 anos da comunidade. Finalizada essa parte, os visitantes são convidados ao almoço em mesas postas junto às pipas onde são produzidos os vinhos da vinícola. Todos os pratos têm ingredientes citados em passagens bíblicas. Para começar, entradinha com pães e patê com ervas (muito gostoso mesmo). No almoço, são servidos pães, inclusive um sem fermento (assim como nos tempos de Jesus), um peixe recheado (com um tempero divino, com o perdão do trocadilho), lentilhas, arroz e salada. De sobremesa, tem pera ao molho de vinho. Claro, todos os pratos são harmonizados com produtos da vinícola, incluindo um moscato e um moscatel, já que Farroupilha tem indicação de procedência para vinhos produzidos com essa uva. Também são colocados à mesa suco de uva integral, água e um cabernet sauvignon. A experiência é muito válida e interessante por ser diferente de outros tours oferecidos por vinícolas na região. O passeio é cheio de simplicidade e beleza, assim como a pequena vinícola. Apesar de ter o mote da religiosidade (e da religião católica, em especial), não tem clima de pregação, apenas de reflexão sobre questões espirituais.

Entradinha com patê de ervas. Foto: Kelly Pelisser

Peixe como prato principal. Foto: Kelly Pelisser

O Sabor e Fé está disponível para grupos de 12 a 25 pessoas, com agendamento prévio, pelo valor de R$ 95 por pessoa.  Mais informações pelo telefone (54) 3464.2424 ou pelo e-mail visitas@adegachesini.com.br. A comunidade de Vila Rica, onde está a vinícola, pode ser acessada na estrada velha que liga Farroupilha a Garibaldi, (inclusive é muito mais próxima de Garibaldi do que do centro de Farroupilha), nas proximidades do Desvio Blauth e do parque da Fenachamp. A Chesini fica bem ao lado da igreja da comunidade.

Sobremesa de pera ao vinho. Foto: Kelly Pelisser

Gran Vin, vinho ícone da Adega Chesini é, realmente, espetacular. Foto: Kelly Pelisser

Cardápio

Antepasto: Patê de manteiga com ervas finas. Saladas: Alface com frutas secas e azeitona; Ervas amargas (radicci e rúcula). Pratos quentes: Peixe recheado assado, arroz e lentilha. Acompanhamentos: Pães e farofa. Sobremesa: Pera ao vinho tinto com calda de mel.

Bebidas

Vinho Rosado Licoroso; Vinho Branco seco Moscato (IP Farroupilha); Vinho Branco seco Lorena; Vinho Tinto Seco Cabernet Sauvignon; Espumante Moscatel; Suco de Uva integral; Água.

Anúncios

Reino da Longevidade, em Veranópolis (RS)

Esses são os únicos móveis que não estão à venda, por serem acervo da família. Foto: Kelly Pelisser

Coroa bem na entrada do Reino da Longevidade Foto: Kelly Pelisser

Todos os móveis do café estão à venda. Foto: Kelly Pelisser

Eu adoro roteiros pelo interior, ainda mais quando são genuínos e cercados de histórias. Tive o privilégio de fazer parte do primeiro grupo a conhecer um novo passeio turístico em Veranópolis (RS). O roteiro foi idealizado por um empreendimento jovem e super querido na comunidade de Monte Bérico: o Reino da Longevidade, um café onde todos os móveis (os que decoram o espaço e também as mesas e cadeiras onde sentam os clientes) estão à venda. Tanto os móveis no estilo rústico quanto as opções para comer são feitas pela família Fracasso. O novo passeio, chamado Segredos da Maçã, percorre as comunidades de Monte Bérico e Lajeadinho, onde se plantou o primeiro pé de maçã do Brasil.

Mesas e cadeiras onde clientes sentam no café também estão à venda. Foto: Kelly Pelisser

Amei esses móveis. Foto: Kelly Pelisser

O café Reino da Longevidade foi criado em outubro de 2016. Ele ocupa o térreo de uma casa da família, onde, no passado, funcionava uma fábrica de carrocerias. Atende aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h30min. No cardápio, estão cafés desde o tradicional expresso passando por aqueles incrementados, como irish coffe e chocolate quente com panna, até opções exclusivas, como o Café do Reino, que leva xarope de menta, e o Café da Longevidade, com calda de morango. Os preços variam de R$ 4,50 a R$ 9,50. Das comidinhas, tem várias opções bem locais: sanduíche colonial com salame ou copa, bolos, pão com geleia, palha italiana, torta tirolesa, torta de maçã, e roseta (massa de grostoli com recheio de creme). Os preços desses itens variam de R$ 4 a R$ 7,50. O café por si é um encanto só. Na entrada, há uma coroa e uma tiara com um trono, onde as crianças adoram brincar. Logo passando a porta, estão os únicos itens que não são estão à venda: uma prateleira que guarda itens antigos da família e uma cômoda que era da avó dos proprietários. O restante dos móveis, que tem um toque antiguinho lindo e são peças únicas, tem etiquetas de preço, inclusive a mesa e a cadeira onde você sentar para comer. Assim que são vendidas, as peças vão sendo substituídas.

No café também estão à venda lembranças como jogos da velha e resta um em madeira. Foto: Kelly Pelisser

A ideia da criação do espaço é da relações públicas Letícia Fracasso, que administra o Reino da Longevidade junto com o marido, Júnior. Os móveis são da fábrica dos irmãos da Letícia, o Marcelo e o Gustavo (há mais de 20 anos, eles trabalham com isso). Os dois irmãos da Letícia também são os motoristas e guias do novo passeio. Os visitantes são levados em carros que já eram de propriedade da família, apaixonada por carros antigos, um Jeep e uma Rural 1959. Uma segunda Rural está sendo preparada para se juntar ao empreendimento.

Veículos que levam ao passeio. Foto: Kelly Pelisser

Primeira parada: igreja de Monte Bérico. Foto: Kelly Pelisser

O passeio será feito apenas por agendamento e dura pouco mais de duas horas. A atividade começa e termina no próprio café e tem outros quatro pontos de parada oficial, mas também é possível pedir para parar pelo caminho para fazer fotos ou observar melhor a paisagem. Os guias vão explicando um pouco da história das comunidades por onde os veículos passam. A primeira parada é a igreja da comunidade de Monte Bérico. Depois, segue para a igreja da comunidade de Lajeadinho, onde há um busto do agricultor José Bin que, em 1935, comprou uma maçã importada da Califórnia, nos Estados Unidos, num mercado de Veranópolis e resolveu plantar as sementes na sua propriedade, dando início ao cultivo de maçãs no Brasil. A próxima parada é justamente na casa onde Bin morava. Na mesma propriedade, que pertence a descendentes do agricultor, o carro segue mais um trecho à frente para, então, os participantes do passeio abandonarem os veículos e seguirem a pé por um potreiro, por cerca de 330 metros, até um mirante onde se avista o Rio das Antas e a ponte dos arcos que divide Veranópolis e Bento Gonçalves. Realmente, a paisagem é linda e de um ângulo totalmente novo para mim da ponte símbolo da região.  De volta ao carro, o passeio continua na Vinícola Simonetto, para ouvir as histórias do proprietário e provar os excelentes vinhos do lugar. Por fim, a aventura termina no Reino da Longevidade, onde o visitante tem uma prova de alguns dos produtos do café, pão com queijo e salame, palha italiana, torta tirolesa e torta de maçã, acompanhados de um café simples à escolha ou de chá de maçã. Eu provei o cappuccino e o chá de maçã. Tudo muito gostoso, assim como as tortas (me apaixonei pela palha italiana).

Segunda parada: igreja de Lajeadinho e busto de José Bin, o primeiro a plantar maçãs no Brasil. Foto: Kelly Pelisser

A casa onde morou José Bin. Foto: Kelly Pelisser

A atividade ocorre nos mesmo dias de funcionamento do café, sábados, domingos e feriados. É possível levar de duas a oito pessoas. Os preços variam de R$ 100 a R$ 120, conforme o número de participantes. Nesse valor, já está incluída a degustação na vinícola e também o prato de degustação com uma bebida no café ao final. É legal lembrar de levar repelente e protetor solar, já que é feita uma caminhada no campo. Para reservar, é possível entrar em contato pelo telefone (54) 3441.0029 ou pelo e-mail contato@reinodalongevidade.com.br.

Tanto o café quanto o passeio valem demais a pena. Eu fiquei muito encantada e com vontade de voltar.

Vinhos para degustação na Vinícola Simonetto. Foto: Kelly Pelisser

Visitantes provam produtos do Reino da Longevidade ao final do passeio. Foto: Kelly Pelisser

Vista da ponte do Rio das Antas a partir de mirante na propriedade da família Marin. Foto: Kelly Pelisser

 

Reino da Longevidade

Onde fica: Rua Guerino Cosmo Rigon, 465, comunidade de Monte Bérico, Veranópolis, RS

Horários: sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h30min

Mais: site e Facebook