Sítio Crescer, em Garibaldi (RS)

Casa do Sítio Crescer: nos dois andares superiores ficam os quartos. No térreo, está o refeitório e cozinhas coletivos. Foto: Kelly Pelisser

Fiquei hospedada num lugar abençoado pela natureza e cheio de energia, o Sítio Crescer, em Garibaldi (RS). É um sítio que produz hortaliças e temperos orgânicos e também conta com hospedagem, no formato de hostel (com camas em quartos compartilhados) e algumas opções de quartos para casal privativos. Tem super cara de interior, mas fica muito pertinho da cidade, a cerca de cinco quilômetros do Centro de Garibaldi. Como também é bem próximo ao Vale dos Vinhedos, é ponto de parada para muitos turistas que estão conhecendo a Serra gaúcha, mas eu mais do que recomendo tirar um dia para aproveitar a calmaria lá do sítio mesmo.

O Sítio Crescer tem muitas flores. Foto: Kelly Pelisser

O sítio tem muito verde, um açude com peixes e uma ilha no meio, plantações de alface, couve, salsa, cebolinha e outros temperos orgânicos, uma estufa com morangos, um parquinho infantil e muitas flores. A uma curta caminhada por uma trilha, se chega a uma pequena cascata. Outra atração são os dois cachorros da raça Border Collie, muito amáveis e brincalhões, o Max e a Lessie. Há ainda um gato e galinhas no sítio. O lugar conta ainda com algumas árvores frutíferas, como bergamotas, nesperas e laranjas. Há várias casinhas de passarinhos penduradas pelas árvores. Uma querideza só!

Refeitório coletivo iluminado e integrado à natureza. Foto: Kelly Pelisser

O prédio da hospedagem tem um refeitório e uma cozinha coletivos, que todos os hóspedes podem utilizar. Fica num espaço amplo e super iluminado, com paredes de vidro, que fazem com que o salão fique integrado à paisagem verde. Um dos quartos privativos conta com cozinha individual, além do banheiro. Outras acomodações não têm banheiro individual, é preciso utilizar banheiros coletivos. O lugar não serve refeições, nem mesmo o café da manhã (apenas em momentos de alta temporada é servido café da manhã, com preço cobrado à parte). Como não há nada muito próximo, então, ou é preciso levar alimentos para cozinhar, ou sair do sítio e ir em algum lugar em Garibaldi para comer. Quem optar por cozinhar no local, pode se servir também dos ovos das galinhas, das hortaliças, flores e temperos do sítio. Sugiro, para o lanche da tarde, levar uma toalha e fazer um piquenique no gramado.

O sítio tem parque infantil. Foto: Kelly Pelisser

Açude com peixes. Foto: Kelly Pelisser

A hospedagem conta com um espaço coletivo, com mesa de pingue-pongue, livros e jogos. Outro destaque é a própria construção, que é sustentável, com telhas de caixinhas de leite, para isolamento térmico, e aproveitamento de energia solar. O lugar faz parte da Via Orgânica, roteiro que reúne empreendimentos com produção ou venda de produtos orgânicos em Garibaldi. O sítio também é associado à Cooperativa de Produtores Ecologistas de Garibaldi (Coopeg). O Crescer é tocado pelo casal Ana Cláudia e Damian Chiesa. Os dois deixaram a vida super urbana para investir num lugar mais tranquilo. Além de turistas, o sítio recebe retiros da igreja católica, grupos de estudo ambiental e até já abrigou festas de casamento diurnas.

Quarto com cozinha e banheiro privativos. Foto: Kelly Pelisser

Outra coisa super mimosa do sítio é que os quartos têm nomes de virtudes: generosidade, equilíbrio, humildade, caridade… Eu fiquei no quarto Fé, o único com banheiro e cozinha privativos. Ele conta com uma cama de casal, uma bancada e dois banquinhos, fogão, geladeira, pia e armários. Tudo completo para você se sentir em casa! E quando se abre a janela, se vê o verde lá fora e ouve os passarinhos cantando! Dali, também se contempla um por do sol incrível! Eu assisti o por do sol sentada no Gramado, fazendo carinho num dos cachorros Border Collie e depois cozinhei usando os ovos das galinhas caipiras e temperos do sítio. Me diz se isso não se pode chamar de felicidade? 🙂

Cachorros Max e Lessie são atração do Sítio. Foto: Kelly Pelisser

A hospedagem custa R$ 50 para o quarto compartilhado (são divididos em dormitórios masculinos e femininos) e R$ 90 para o quarto privativo sem banheiro (o banheiro é coletivo, fora do quarto). Já as suítes (para um casal), com quarto e banheiro privativo, custam R$ 130 durante a semana e R$ 150 nos fins de semana. Nos feriados e alta temporada (janeiro, fevereiro e julho), a suíte sai por R$ 150 durante a semana e R$ 200 no fins de semana. O café da manhã só é servido na alta temporada e custa R$ 15 por hóspede.

Açude tem ilha com ponte. Foto: Kelly Pelisser

O sítio é um encanto! Super tranquilo, bonitinho e dá vontade de voltar muitas vezes! Já quero voltar na primavera pra ver tudo super florido!

 

Sítio Crescer

Onde fica: Rua Buarque de Macedo, sn (cerca de 5 km do Centro), Garibaldi, RS

Mais: site do Sítio Crescer, Facebook do Sítio Crescer

Contato: (54) 98145.0037

 

Anúncios

Como procurar hotéis em cidades desconhecidas

como procurar hotel ou hostel em cidades desconhecidas

Reprodução, Hostelworld3030

Vou estrear hoje um espaço de dicas na hora de turistar por aí. Começo falando sobre como tento encontrar um hotel numa localização legal e num preço camarada em uma cidade onde nunca coloquei os pés antes.  Bom, normalmente, eu primeiro faço uma cotação com agência de viagem. Na maioria das vezes, são mais caras do que buscar na internet, mas, eventualmente, pode haver alguma promoção. Se eu conheço alguém que mora ou já visitou aquela cidade, pergunto para a pessoa sobre bairros bacanas. Para mim, sempre é interessante que o hotel tenha uma boa localização, que permita fazer a pé boa parte das atrações turísticas, e que esteja perto do transporte coletivo (para chegar a partir do aeroporto e também visitar pontos mais distantes).

Primeiro passo é procurar em sites de buscas de hotéis. Tem vários hoje, inclusive que comparam entre sites. Eu costumo ir de basiquinho mesmo. Se for hotel, busco no Booking.com. Se for hostel, no Hostelworld (gosto muito deles porque tem um espaço para a descrição de como chegar no hostel utilizando transporte público. Algumas não são muito completas – são preenchidas pelos donos – mas sempre deu certo). Nunca tive problema com nenhum dos dois. Filtro pelo preço e aí vou olhando as avaliações dos outros usuários. Eu costumo ordenar as avaliações da pior para a melhor, para primeiro olhar quais são as maiores reclamações a respeito daquele lugar. Assim, é mais fácil descartar, de acordo com o que você não suporta. Por exemplo, quarto pequeno é ok até, mas quarto com percevejos e pulgas na cama, não (em Veneza, tem vários com esses relatos, afinal, os prédios são muito velhos).

Mas como saber se o endereço é bacana: primeiro, busco vários lugares que quero visitar naquela cidade para ver se são longe dali. Faço a comparação no Maps do Google. No mapa, também olho se há pontos de ônibus ou metrô perto, e ainda supermercados ou restaurantes (opções para comer perto sempre são interessantes, especialmente quando você chega de noite cansado no hotel de tanto bater perna e não tem vontade de ir pra longe jantar). Olho pela imagem do Google Earth também como é a rua e o prédio do hotel, para ver se não é trash demais ou bem diferente da foto da propaganda deles. Dou uma olhada depois no site do hotel ou hostel. Sempre pode ter alguma informação adicional para ajudar na decisão.  Outra dica é dar um Google para ver quais são os bairros bacanas, descolados do lugar. Às vezes, não são tão perto das atrações, mas tem uma atmosfera boa, que vale a pena ficar. Nem sempre o centro é a melhor opção. Em várias cidades, o centro é um lugar degradado e com uma criminalidade mais alta do que em outros pontos. Por exemplo, em Paris, fiquei em Montmartre, em Roma, uma vez fiquei em Trastevere, em Praga, em Mala Strana. Gostei muito de todos. Nenhum é central, mas não são longe também. Já em Buenos Aires, fiquei bem no centro, perto do Obelisco, e não gostei. Preferia ter ficado na Recoleta ou Palermo, por exemplo, que tem locais mais agradáveis.

Ah, nunca tentei Airbnb. Vocês já? E como escolhem hotéis quando vão para algum lugar que nunca estiveram antes? Conta aí.