Pousada dos Capuchinhos e outras atrações de Vila Flores (RS)

Voltei a visitar a fofurice de cidade que é Vila Flores (RS), na Serra gaúcha. Passei um findi lá, hospedada na Pousada dos Capuchinhos e revisitando atrações que eu já tinha passado, mas, dessa vez com meus pais. Eles amaram tudo! E eu adorei rever e já estou querendo voltar. Por isso, reuni nesse post o melhor do que ver e fazer por lá.

Pousada dos Capuchinhos 

Eu me apaixonei por esse pátio. Foto: Kelly Pelisser

Começamos pela Pousada dos Capuchinhos. O lugar é simplesmente incrível! Foi reformado há pouco tempo e tem instalações dignas de hotel (não se engane com o nome ‘pousada’). Fica no prédio do antigo Seminário Santo Antônio, que funcionava por lá entre os anos 1940 e 2005. O ambiente é de paz em todos os cantos. A pousada conta com um pátio lindo com fonte, bancos, ombrelones e estátua de São Francisco de Assis em barro, que é um encanto só. Na parte de trás, ficam três piscinas ao ar livre, onde dá para tomar banho de sol. Depois, há três piscinas cobertas aquecidas e com jatos de hidromassagem sensacionais (uma delícia! Leve muitas roupas de banho porque você vai viver nessas piscinas, independentemente do tempo. Eu já tava murcha de tanto ficar na água. Ahaha). Ali do lado, fica a academia da pousada e um bar. Para crianças, há um parquinho do lado de fora, uma área kids interna e também piscinas rasas tanto externa quanto interna. Para os adultos, há uma sala de jogos. Outra atração na parte interna é uma capela com vitrais maravilhosos e música gregoriana, onde, eventualmente, são rezadas missas. Do lado de fora, tem uma gruta dedicada à Nossa Senhora de Lourdes.

Capela da pousada. Foto: Kelly Pelisser

Piscinas externas da pousada. Foto: Kelly Pelisser

Na pousada, também há um wine bar super cool com o balcão decorado com rolhas. Ali são servidos os produtos da Vinícola Frei Fabiano, que fica ao lado e também é propriedade da Ordem dos Freis Capuchinhos. Aliás, ali pertinho ficam os parreirais da vinícola, que é um passeio bonito se você gosta de caminhadas em meio à natureza. Os produtos da vinícola também estão à venda num varejo no saguão de entrada da pousada.

Piscinas cobertas da pousada. Foto: Kelly Pelisser

Outro destaque é o café da manhã, simplesmente o melhor café de hotel em que eu já fiquei hospedada na vida! Nem querendo, dá para provar de tudo, de tantas opções, tem frutas, panquecas, bolos mil (incluindo com opções integral, sem lactose e sem glúten), e bolos da moda, como naked cake. Sério, acorde cedo para tomar o café que vale muito a pena! É uma atração à parte.

Imagem no pátio da pousada. Foto: Kelly Pelisser

A pousada costuma lotar aos finais de semana, então, é bom você se planejar com antecedência. Já durante a semana, é mais tranquilo. Há cinco tipos de quarto, do standard a suítes. Os preços para diárias aos finais de semana para uma pessoa variam de R$ 115 a R$ 440, para casal de R$ 200 a R$ 440, e em apartamento triplo, de R$ 260  R$ 490 (nessa opção, não há suítes). Já durante a semana, os apartamentos singles custam entre R$ 90 a R$ 350 a diária, os duplos, de R$ 160 a R$ 350 e o triplo, de R$ 210 a R$ 400. No valor, está incluso o café da manhã. A pousada serve jantar de segunda a sábado por R$ 25 por pessoa. Tudo é maravilhoso, com destaque para as piscinas aquecidas e para o ambiente de paz. Sério, você desliga de tudo lá fora. A única coisa ruim da pousada é que não dá vontade nenhuma de voltar para casa na saída. Ahah.

Restaurante Mascaron

Hall do restaurante tem objetos antigos, que evocam a memória da família e da cidade. Foto: Kelly Pelisser

Estando em Vila Flores, você precisa conhecer o Restaurante Mascaron. Fica no Centro, há umas duas quadras da Pousada dos Capuchinhos. O lugar é lindo e reúne diversos objetos que contam a história da família Brandalise, proprietária do empreendimento, e da própria imigração italiana. O restaurante abre para almoço de terça a domingo e para jantar nas sextas e sábados. Durante a semana, ao meio-dia, há a opção de buffet a quilo. Nos finais de semana, é só buffet livre por R$ 40 por pessoa. À noite, serve à la carte. É parada certa por lá.

Padaria Villa do Pão – Casa Fiori

Balanço antigo no balcão da Villa do Pão. Foto: Kelly Pelisser

Outro lugar imperdível na cidade é a padaria Villa do Pão – Casa Fiori que fica numa casa centenária, também no centrinho, perto da igreja matriz. A construção é linda e lá dentro também estão reunidos objetos antigos de famílias italianas. O destaque são os pães caseiros gigantes e os biscoitos super gostosos. Há salas com mesas e cadeiras, onde é possível sentar e provar salgados e tortas.

Filó de Vila Flores

Cantoria no filó de Vila Flores é acompanhada por gaitas. Foto: Kelly Pelisser

Um programa obrigatório é ir no Filó de Vila Flores. A apresentação é feita por artistas da própria comunidade, sob agendamento, para grupos entre 40 e 80 pessoas. Normalmente, nas sextas e sábados à noite sempre tem, com início às 20h e duração de três horas e meia. Mas, eventualmente, são feitos filós também durante a semana se tiver o interesse de grupos. Casais, famílias, pequenos grupos ou pessoas sozinhas devem verificar a disponibilidade de vagas. É preciso reservar antes por telefone. O preço por pessoa é R$ 90. A festa inclui um teatro sobre a saída dos primeiros imigrantes da Itália e chegada ao Brasil, muita cantoria, jogos e comida, claro. Tem polenta, bolo, grostoli, biscoito, queijo, salame, pão, pinhão, vinho e suco. É garantia de muitas risadas.

Ateliê L’Arte Ceccato 

Representações de São Francisco de Assis são tema constante. Foto: Kelly Pelisser

Localizado na comunidade de Linha Aimoré, a cerca de 2,5 quilômetros do Centro de Vila Flores, o Ateliê L’Arte Ceccato é onde a artista Benedita Ceccato produz peças lindas em argila, com motivos religiosos e do cotidiano. Dá para comprar muita coisa para enfeitar a casa. Por lá, a família também recebe os visitantes para contar um pouco sobre a história dos imigrantes italianos e mostrar plantas medicinais. Tem um relógio do corpo humano no jardim, aquele que mostra, de acordo com as horas, as ervas indicadas para tratar cada órgão. Para fazer a Terapia Caminhante pelo trecho, é preciso agendar para grupos. Mas é possível apenas dar uma passada para visitar e ser muito bem recebido pela família.

Dica: Vila Flores tem pouco mais de 3 mil habitantes e está localizada a cerca de oito quilômetros de Veranópolis pela BR-470 (sentido Nova Prata). O acesso é super tranquilo. Tudo é muito pertinho. Tem rodoviária por lá, que está a duas quadras da Pousada dos Capuchinhos. Eu e meus pais fomos de ônibus e fizemos tudo a pé. O único lugar que tem que ir de carro é o Ateliê L’Arte Ceccato. O táxi até lá, a partir da pousada, saiu por R$ 15. Ou seja, mesmo sem ter carro, dá para ir tranquilamente.

Mais informações:

Facebook da Pousada dos Capuchinhos

Facebook do Restaurante Mascaron

Facebook da Padaria Villa do Pão

Facebook do Filó de Vila Flores

Facebook do Ateliê L’Arte Ceccato 

 

Anúncios

Filó de Vila Flores, RS

Cantoria no filó de Vila Flores é acompanhada por gaitas. Foto: Kelly Pelisser

É muito provável que você já conheça a história dos imigrantes italianos, que saíram do norte do país europeu, fugindo da miséria no final do século 19, em busca da promessa de riqueza no continente americano. Mas você nunca ouviu do jeito em que contam no Filó de Vila Flores, RS. O grupo animado resgata a memória da imigração e dos filós, as reuniões noturnas para comer, beber, conversar e rezar, dos descendentes desses primeiros imigrantes. A função rola à noite, apenas por agendamento, para grupos. Para se ter uma ideia de como a atração é popular: não há mais datas disponíveis para grupos nas sextas e sábados até o fim de 2017 e já há dias de 2018 reservados.

Tudo começa com a história da imigração italiana. Foto: Kelly Pelisser

As estrelas do filó são pessoas da própria comunidade de Vila Flores, que durante o dia trabalham, realizam os afazeres de casa, e à noite transformam a habitação de madeira com porão de pedra, quase às margens da BR-470, em palco de uma pequena Broadway da colônia. A maioria deles são idosos, lá pelos 70 anos, mas têm energia de sobra. Parecem se multiplicar, para cantar, preparar comida, recolher e lavar os pratos que somem por encanto. Como se a polenta tivesse uma dose de Red Bull como ingrediente especial.

Tem polenta! E a música da Bella Polenta. Foto: Kelly Pelisser

Os visitantes são recebidos à luz de lampião e com grostolis no lado de fora da casa e acomodados em cadeiras no piso inferior da residência, também apenas com a luz de lampiões, para lembrar dos tempos em que se fazia filó, mas ainda não havia energia elétrica. Aí, se segue um teatro, misto de musical, para contar a saída dos imigrantes da Itália e a chegada ao Brasil. A interpretação dos nonninhos é demais! O que vem na sequência é uma festa animada, com música cantada ao vivo e tocada em gaitas. Depois, começa o jantar, com polenta mole, acompanhada de molho de frango ou de guisado, salame, queijo, grostoli, bolos, pão, vinho (servido num barrilzinho) e suco. Um pequeno intervalo onde os visitantes são convidados a conhecer a Casa do Artesão, no piso superior da residência, onde são vendidos artigos de palha, chapéus, toalhas e itens de decoração. Na volta, tem mais música, pinhões assados na chapa do fogão à lenha, chá, jogo de mora e piadas bem pesadas contadas pelo velhinhos. Ah, vou dar um spoiler: nessas músicas da reta final, tem até uma senhora que tira a calcinha. A interpretação dela é primorosa. Também tem um brincadeira usando um chinelo triplo, feito com uma tora de madeira, em que três pessoas calçam e tentam andar juntas. Tentam, porque os velhinhos do filó conseguem na boa. Mas os visitantes costumam cair ou não sair do lugar. Rende boas risadas.

Mesa com comida fica ao centro. As pessoas se servem e sentam em cadeiras ao redor. Foto: Kelly Pelisser

E mais comida. Foto: Kelly Pelisser

O filó funciona apenas por agendamento. Para reservas, é necessário um depósito antecipado. O valor do ingresso adulto é de R$ 80 por pessoa. Crianças de até seis anos não pagam e de 7 a 12 anos pagam R$ 40. É aceito pagamento em dinheiro ou cheque. O filó, normalmente, começa às 19h30min e tem duração de três horas e meia. Grupos devem ter, no mínimo, 40 pessoas e, no máximo, 80 pessoas. Quem estiver sozinho, em casal, ou num pequeno grupo de amigos, pode tentar se encaixar em grupos já agendados. Para as sextas e sábados, até o fim de 2017, não há mais vagas para grupos grandes, mas se você estiver em poucas pessoas pode tentar ver se não há lotação máximo no dia em que você pretende ir. É uma experiência que vale demais à pena. Mesmo se você já conhece a história da imigração e as músicas italianas tradicionais, não tem como ficar indiferente. É engraçado, é surpreendente. Apenas um conselho: vão. E se divirtam.

Esse é o chinelo triplo que rende risadas. Foto: Kelly Pelisser

Na parte de cima da casa onde rola o filó, tem venda de artesanato. Foto: Kelly Pelisser

 

Filó de Vila Flores

Onde: Rua Luiz Roncatto, 31, bairro São Luiz, próximo à BR-470, Km 117, Vila Flores, RS

Horários: Acontece à noite, normalmente, com início às 19h30min, e duração de 3h30min. É feito apenas sob agendamento. Para sextas e sábados, até o final de 2017, não há mais vagas para grupos.

Contato: (54) 99167.0633 ou (54) 3447.1195

Mais: Facebook