Fenamassa 2017, em Antônio Prado (RS)

Igreja de Antônio Prado é super lindinha também. Foto: Kelly Pelisser

Fui visitar a Fenamassa 2017 em Antônio Prado, RS. O Festival Nacional da Massa começou neste findi e segue entre os dias 15 e 19 de novembro (entre o feriado e domingo). Toda a função rola na praça central, no entorno das casas históricas, com entrada gratuita. Um toldo gigante foi colocado para abrigar a festa, mas as laterais são abertas, o que dá uma cara muito legal, de evento ao ar livre, ainda mais com o cenário dos casarios ali perto. Lembra muito eventos gastronômicos da Europa. Nos oito dias do festival, são esperadas 25 mil pessoas, bem mais do que o número de habitantes da cidade, 13 mil.

Almoço servido no restaurante que reproduz salões de colônia. Foto: Kelly Pelisser

Antônio Prado tem 46 empresas formais que produzem massas. E a cidade é uma graça só. O Centro é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por causa de 46 construções do início do século passado. A mais linda é a edificação de madeira de dois andares amarela, a Casa da Neni, que hoje abriga o Museu Municipal (dá para visitar de graça). Outra que vale a visita é a Casa de Artesanato, onde eu me encantei pelo trabalho em renda chamado frivoletê, que só tem em Antônio Prado ainda. A maioria das edificações antigas abriga pontos comerciais atualmente.

O chafariz tá lá embaixo do toldo da Fenamassa. Foto: Kelly Pelisser

Ali bem ladinho, a Fenamassa conta com 55 expositores de produtos diversos, incluindo quatro vinícolas da cidade, mais cinco restaurantes que são a alma do evento. Um deles reproduz os típicos almoços de colônia e os outros quatro têm um cardápio composto por vários tipos de diferentes de massas (óbvio), que variam conforme o dia e não são iguais de um para outro. O preço é fixo em todos, R$ 45 por pessoa, no sistema de rodízio (você senta e é servido na mesa, podendo repetir), com direito a uma bebida por pessoa. Há também a opção empratado, por R$ 35 por pessoa, quando vem um prato pronto apenas. Ao todo, são 600 lugares, que servem refeições durante todo o horário de atendimento da feira (no feriado, sábado e domingo, das 10h às 22h, na quinta e sexta, das 18h às 22h).

São cinco restaurantes, cada um com um cardápio com muuuuita massa. Foto: Kelly Pelisser

Nos estandes que vendem massa fresca, a dica é procurar pelo que eles chamam de pipoca de gringo, que nada mais é do que agnoline (ou capeletti) frito. É bem gostoso, estilo salgadinho ou petisco. Para quem é intolerante a glúten, há, no espaço dos expositores, uma empresa de produtos glúten free, a Alecrim, que serve lanches, como pizzas e salgados. O festival oferece ainda oficinas gastronômicas gratuitas e um espaço muito legal chamado Mão na Massa, onde noninhas ensinam como sovar massa, fechar capeletti e fazer bíguli. Há ainda shows locais e estaduais, sempre com entrada franca. Outra atração é um passeio turístico pelo centro histórico num ônibus antigo, com saída de hora em hora, por R$ 15 por pessoa. Tem ainda uns eventos especiais, como no sábado passado, quando acompanhamos uma competição de quem comia mais tortéis. O vencedor, Francisco Tormena, comeu 128 tortéis no período de duas horas (sim, 128 tortéis! Acreditem! Eu nunca mais ia querer ver essa massa na vida, mas ele disse que vai se preparar para comer 150 na próxima edição).

Espaço Mão na Massa é muito legal. Foto: Kelly Pelisser

Almoçamos no espaço que reproduz os salões de colônia. O cardápio ali é sopa de capeletti, macarrão ao molho de salame, tórtei com molho de frango, lasanha de carne, nhoque ao molho branco, espaguete ao molho de tomate seco, espaguete à carbonara, acompanhado de pão, polenta frita, pien (lá eles chamam de pescoço recheado), frango à passarinho, saladas de radicci com cebola e de alface com tomate, mais uma mini pizza individual de chocolate com confetes de sobremesa. Para beber, as opções são água mineral ou suco de uva tinto de 300 ml ou uma taça de vinho branco ou tinto. Como deu para perceber, o almoço é beeeem farto e com muita massa, da entrada à sobremesa!

Moinho Franscescatto continua moendo milho com roda d’água. Foto: Kelly Pelisser

À convite da Fenamassa, visitamos ainda dois pontos no interior do município. Primeiro, o Moinho Franscescatto, uma edificação de 1930 que na década seguinte foi transformada em um moinho que funciona até hoje movido por uma roda d’água. Dona Catarina Francescatto, de 72 anos, mora e trabalha sozinha no local, após ter ficado viúva. Ela mostra aos visitantes como funciona o trabalho de moer milho à maneira antiga e tem um caderninho com os pedidos anotados à mão, assim como a tabela de preços. A visita custa R$ 5 e pode ser agendada pelo telefone (54) 3293.3207.

Dona Catarina, 72 anos, toca sozinha o moinho. Foto: Kelly Pelisser

Depois, visitamos a agroindústria e propriedade de orgânicos Pérola da Terra. O casal de agricultores Joce Pontel e Volmir Forlin foram pioneiros no cultivo de orgânicos há mais de 20 anos. Eles produzem sucos integrais, néctares de frutas, molho de tomate, purê de frutas e um melado de maçã (dá para usar para adoçar bebidas ou iogurte ou como molho para salada). Comprei um suco de maçã e um purê de frutas com maracujá, pitaya e maçã. Nada leva açúcar ou qualquer outro ingrediente, e tudo é muito docinho e gostoso. Nas estufas, os morangos e os tomates ouvem música. E estão estudando para que as uvas ouçam também. Os morangos estavam com música clássica quando visitamos, mas, em outras colheitas, eles já ouviram rock pesado, estilo Black Sabbath. A explicação é que eles crescem maiores e mais saudáveis com ritmos musicais. Dá para conferir mais detalhes, no site do Pérola da Terra.

Morangos ouvem música na propriedade de orgânicos Pérola da Terra. Foto: Kelly Pelisser

Antônio Prado é uma cidade encantadora. A visita vale demais, ainda mais nesse período de Fenamassa. Comer lá, passear pelos estandes e depois caminhar pelo centro histórico é um programa realmente imperdível!

A Fenamassa é um passeio imperdível. Foto: Kelly Pelisser

 

Fenamassa

Onde: Centro Histórico de Antônio Prado, RS

Quando: ainda de 15 a 19 de novembro de 2017

Horários: no feriado, sábado e domingo, das 10h às 22h, na quinta e sexta, das 18h às 22h.

Quanto: entrada gratuita

Mais: site e Facebook

 

 

Anúncios

Bruce Burger Brasil, em Caxias do Sul (RS)

Combo pequeno com burger, batata frita e refrigerante. Foto: Kelly Pelisser

A Bruce Burger Brasil é uma novidade bem no centrão de Caxias do Sul (RS), pertinho do Parque dos Macaquinhos. Tem cara bem de lanchonete de fast food: pedidos são feitos no caixa e depois você aguarda ser chamado por um número no display para retirar. Dá tanto para comer ali quanto para levar o lanche num saquinho. Eles mesmo dizem que não fazem hambúrguer gourmet, mas hambúrguer como deve ser. São oito opções, algumas com uns itens um pouco mais incrementados, mas nada de ingredientes super diferentes. Os preços dos burgers são R$ 10 ou R$ 15. Também tem batatas fritas. Para beber, as opções são simples também, refrigerante, cerveja ou água, além de café ou milk shake. Para sobremesa, tem sonho de doce de leite ou Nutella.

Quem optar pelo combo com um burger, fritas pequenas e o copo de refri pequeno paga R$ 20. Já a opção com fritas e refrigerante grandes fica por R$ 25. Se a opção for combo com cerveja, sai por R$ 28 com os itens pequenos ou R$ 38 com os grandes. Achei bem bons os preços dos combos. Outra vantagem é que fica aberto o dia todo, das 11h30min às 22h30min de segunda a sábado. Ou seja, dá para almoçar a qualquer horário, lanchar ou jantar.

O lugar é pequeninho, com quatro mesas mais uma bancada compartilhada, ou uns tonéis para comer de pé na calçada. Eu fui na hora do meio-dia, e por ficar perto de colégios, estava muito lotado com adolescentes estudantes. Pedi o combo de burger, batata e refri pequeno (esse dos R$ 20). Dá para escolher qualquer um dos burgers. Eu peguei o Bruce BBQ, que vem com pão brioche, hambúrguer angus 120 gramas, queijo cheddar, queijo lanche, molho barbecue e bacon. Para citar algumas outras opções: tem com geleia de bacon, de frango, e, para quem não come carne, um com cogumelos, queijo lanche, alface, tomate e cebola roxa. Por estar lotado, até que não demorou tanto para chegar o pedido. As batatas eram bem crocantes, o pão do hambúrguer bem fofinho, e a combinação dos ingredientes, bem gostosa. Só para mim, que como muito (ahaha), achei um pouco pequeno esse combo menor para o almoço. Talvez para um lanche, estaria mais ok. Ahah. Mas, lembrando que, no grande, o que muda são as batatas e o refrigerante.

Curti o lugar e o produtos. Lembra muito umas casas de lanche rápidos na Europa (deve ter também nos EUA, mas lá não conheço). É bem o básico, mas bem feito, e num ambiente bacana. Quero voltar mais vezes.

 

Bruce Burger Brasil

Onde fica: Rua Doutor Montaury, 1552 (entre a rua Os 18 do Forte e a Avenida da Vindima, uma quadra antes do Parque dos Macaquinhos), Centro, Caxias do Sul, RS

Horários: de segunda a sábado, das 11h30min às 22h30min

Mais: Facebook

 

Feira Caxias sem Glúten é neste sábado

Um dos posts mais lidos do blog é essa listinha sobre lugares com produtos sem glúten e sem lactose na Serra gaúcha. Para quem não consome glúten, seja por dieta ou por doença celíaca, tem um programa imperdível nesse sábado, dia 11 de novembro, no Shopping San Pelegrino, em Caxias do Sul. Por lá vai rolar o Caxias sem Glúten, que é uma feira de produtos sem glúten organizada pela relações públicas Priscíla Palavro e pela tecnóloga em alimentos Karine Cearon.

A primeira edição contará com expositores e apoiadores apresentando os seus produtos, com degustação e venda. O horário de funcionamento é o mesmo do shopping, entre 10h e 22h, com entrada gratuita.

A doença celíaca afeta 1% da população mundial. Ela é uma doença autoimune que provoca diversas lesões em vários órgãos e tecidos. Em casos extremos, pode levar à morte. Pacientes que possuem doença celíaca não podem consumir nenhum tipo de alimento que contenha glúten (proteína presente no trigo, cevada, aveia e centeio). A vice-presidente da Associação dos Celíacos do Brasil (Acelbra-RS) e secretária executiva da Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenacelbra), Ester Benatti, estará no evento para um bate papo sobre a doença celíaca.

 

Caxias sem Glúten

Quando: 11 de novembro, sábado

Horário: das 10h às 22h

Onde: hall de entrada do Shopping San Pelegrino, em Caxias do Sul

Quanto: entrada gratuita

Mais informações: https://www.facebook.com/caxiassemgluten/

Di Lambreta, de Caxias do Sul (RS)

Massa Salsiccia e Funghi. Foto: Kelly Pelisser

Conheci a Di Lambreta, uma tele de massas bem ao estilo italiano em Caxias do Sul (RS). Eles têm doze opções, com porções que servem uma pessoa e custam entre R$ 18 e R$ 24. Há também uma salada mista por R$ 16. As massas vão de amatriciana, passando por pesto, carbonara, filé e funghi, quatro queijos, entre outras versões.

Eu escolhi a Salsiccia e Funghi, uma massa penne com cogumelos salteados, linguiça, creme de leite fresco, queijo tipo grana e pimenta preta. Junto vem um saquinho de queijo grana ralado. O preço é R$ 22, para uma pessoa. A tele custou R$ 7. Ou seja, paguei R$ 29. Pedi pelo iFood num domingo. O aplicativo me deu a previsão de tempo entre 50 e 65 minutos, mas chegou um pouco antes dos 50 minutos. A massa vem num recipiente de isopor e estava bem quentinha. A quantidade enche um prato fundo sem medo. Para mim, foi mais do que suficiente para matar a fome. Bem gostosinho e aprovado.

 

Di Lambreta

Onde fica: Rua Antônio Carlos Gomes, 2546, Caxias do Sul, RS (funciona apenas como tele)

Horários: quartas e quintas, das 19h às 22h30min, sextas e sábados, das 19h às 23h, e domingos, das 19h às 22h30min.

Como pedir: pelo telefone (54) 3224.2805 e aplicativos como iFood e Delivery Much

Mais: Facebook

 

Circuito Enogastronômico Brasil na Boccati no dia 27 de outubro

Foto: Everson Almeida, divulgação

Vem mais um Circuito Enogastronômico da Boccati aí! Esse evento que é uma delícia (eu amo mesmo!) terá como tema o Brasil e tem data marcada para 27 de outubro, uma sexta-feira. Serão oito mesas com mais de 70 rótulos de vinhos e espumantes brasileiros, além de comidinhas nacionais e apresentações musicais de ritmos daqui. Para quem não conhece, a Boccati é uma loja de vinhos maravilhosa e enorme, que periodicamente faz eventos como o Circuito.

Serão 21 vinícolas apresentando seus produtos. Os rótulos serão harmonizados com pratos típicos preparados pela Escola de Gastronomia Sal a Gosto, pães da Pane e Salute e do restaurante Osaka Culinária Japonesa. Para sobremesa, doces típicos preparados pela chef Ana Ditadi, café Bom Jesus e sorvetes da Sorvelândia.

Das 20h à meia-noite, o público poderá conferir apreciar apresentações artísticas: samba com Dan Ferretti e Espaço de Dança André Ribeiro, MPB com Sandro Stecanela e música sertaneja com Cris Bianco. Vai rolar também quick massage e drinks com Tropical Bartenders. Haverá estacionamento com segurança e manobrista além de uma parceria com frota de táxi.

Os ingressos custam R$ 150 para provar à vontade os vinhos e as comidinhas. Vale demais a pena! O pessoal da Boccati sempre se puxa nesses eventos para oferecer produtos diferentes. Quem vai uma vez sempre quer ir em todas!

 

O que: Circuito Enogastronômico Brasil.
Quando: 27 de outubro, sexta-feira, das 20h à meia-noite.
Onde: Boccati (Rua Antônio Ribeiro Mendes, 2043, bairro Santa Catarina, Caxias do Sul, RS).
Quanto: R$ 150. Os Ingressos podem ser adquiridos na loja física ou virtual – www.boccati.com.br

Informações: 3224.9900 ou boccati@boccati.com.br.

 

 

Cardápio:

Mesas Frias 

– Frios variados

Sal a Gosto

– Sanduíche de mortadela;

– Mix Nuts;

– Patês artesanais.

Pane e Salute

– Pães Artesanais

RAR

– Queijo Gran Formaggio

Osaka Culinária Japonesa

– Ceviche de Salmão;

– Sashimi de Salmão, Atum e Peixe Prego;

– Sushi de Salmão, Jou Salmão e Jou Thizio;

– Uramaki de Salmão e Skin;

– Hossomaki de Salmão.

Finger Food 

Sal a Gosto:

– Aipim frito;

– Bolinhos de bacalhau;

– Linguiça campeira acebolada.

Pratos Quentes

Sal a Gosto:

– Arroz carreteiro;

– Farofa caseira;

– Feijoada gourmet.

Mesa de Doces 

Chef Ana Paula Ditadi

– Cocadinha Cremosa

– Brigadeiro de Chocolate 70%

– Brigadeiro de Açaí com Granola

– Mousse de Paçoquinha

– Tartelette de Cappuccino

 

Vinhos:

Mesa 1 – (Região Garibaldi)

Garibaldi Pinot Noir Brut Rosé

Garibaldi Prosecco

Garibladi VG Extra Brut

Peterlongo Presence Brut Rose 750ML

Peterlongo Armando Memoria Merlot

Chandon Brut Reserva 750ML

Chandon Passion Rose 750ML

Chandon Excellence Cuvee Prestige 750ML

Peterlongo Elegance Champagne Brut

Mesa 2 – (Pinto Bandeira/Antônio Prado/Campos de Cima da Serra)

Valmarino Brut Prosecco

Zanella Espumante Nature

Fazenda Santa Rita Merlot Rose

Fazenda Santa Rita Sauvignon Blanc

Don Giovanni Stravaganzza Brut

Fazenda Santa Rita Pinot Noir

Zanella Chardonnay 750ML

Zanella Percentual

Don Giovanni Nature

Valmarino e Churchill Brut Champenoise

Don Giovanni Brut Ouro

Valmarino Cabernet Franc 750ML

Valmarino Reserva da Familia TTO

 

Mesa 3 – (Campos de Cima da Serra)

RAR Collezione Sauvignon Blanc 750ML

RAR Cuvee Nilva Brut Rose

RAR Collezione Pinot Noir

RAR Reserva de Família Cab. Sauvignon/Merlot

 

Mesa 4 – (Vale dos Vinhedos)

Vallontano Chardonnay

Pizzato Chardonnay

Pizzato Reserva Merlot

Terragnolo Reserva Marselan

Pizzato Brut Rose

Terragnolo Reserva Merlot 750ML

Vallontano LH Zanini Espumante Extra Brut

Pizzato Fausto Verve Gran Res Cab Sauv Merlot Tannat

Era dos Ventos Trebbiano on The Rock 750ML

Vallontano Oriundi

Terragnolo Marselan Boulder

 

Mesa 5 – (Vale dos Vinhedos)

Aurora Reserva Merlot Rosé

Aurora Pinto Bandeira Pinot Noir 750ML

Aurora Millesime Cabernet Sauvignon

Miolo Brut Milessime

Miolo Cuvee Giuseppe Chardonnay

Miolo Merlot Terroir

Miolo Lote 43 Merlot Cabernet

 

Mesa 6 – (Vale dos Vinhedos/ Garibaldi/ Faria Lemos)

Ponto Nero Brut Rosé

Dal Pizzol Gamay Beaujolais

Casa Valduga Identidade Gewurztraminer

Dal Pizzol Touriga Nacional 200 anos

Dal Pizzol Pinot Noir

Casa Valduga Sur Lie Nature 30 Meses

Ponto Nero Brut Blanc de Blancs 750ML

Casa Valduga Gran Reserva Villa Lobos

Casa Valduga Storia Merlot Gran Reserva 2011

 

Mesa 7 – (Flores da Cunha)

Familia Bebber Sentiero Reserva Cabernet Franc

Familia Bebber Sentiero Reserva Tannat

Familia Bebber Vero Brut Rosé

Luiz Argenta Jovem Gewurztraminer

Luiz Argenta Jovem Shiraz 750ML

Luiz Argenta Cave Corte

 

Mesa 8 – (Casca/ Farroupilha/ Alto Feliz)

Don Guerino Brut Rosé

Don Guerino Torrontes Vintage

Don Abel Chardonnay

Casa Perini Cabernet Sauvignon Fracao Unica

Casa Perini Champenoise 750ML

Don Guerino Malbec Vintage

Don Abel Premium Merlot

Don Abel Rota 324 Cabernet Sauvignon

Casa Perini Quatro

Don Guerino Gran Reserva Tracos Top Blend

 

Mesa 9 (Garibaldi/ Campos de Cima da Serra/ Vale dos Vinhedos/ Vale do Rio São Francisco/ Flores da Cunha/ Farroupilha/ Alto Feliz)

Peterlongo Moscatel

Aurora Moscatel

Terranova Moscatel

Casa Perini Aquarela Moscatel Rosé

Ponto Nero Celebration Moscatel

Luiz Argenta Moscatel

Don Guerino Prosecco

Ponto Nero Moscatel

RAR Reserva Brut

 

Chopp rosa no Monasterium, de Caxias do Sul, no Outubro Rosa

Chopp produzido para o mês de outubro é beeem rosa. Foto: Kelly Pelisser

O Monasterium é um bar de cervejas especiais super bacana de Caxias do Sul (RS). Eu já fiz um post sobre o pub aqui no blog. Durante todo o mês de outubro, eles estarão com uma ação bem bacana dentro do Outubro Rosa, a campanha de conscientização sobre a importância de detectar precocemente o câncer de mama. O bar oferece um chopp rosa, com o lucro da venda destinado à Liga de Combate ao Câncer de Caxias do Sul.

A bebida é produzida em parceria com a Cervejaria Imaculada, também de Caxias. É uma Witbier. Uma ganhei uma para provar. É beeem rosa mesmo. Mas a coloração não afeta em nada o sabor, que é super leve. O preço do chopp rosa é R$ 11 o copo de 300ml e R$ 16 o copo de 500ml. Além de provar algo diferente, o melhor é que você ajuda a ajudar outras pessoas.

 

 

Monasterium Cervejas Especiais

Onde fica: Rua Tronca, 2393 (em frente a uma casa de festas infantis), bairro Exposição, Caxias do Sul (RS)

Horário: de terça a sexta, das 18h à meia-noite, sábados, das 19h à meia-noite.

MaisFacebook Instagram

 

 

Salvador Brewing Co. & Tap Room, em Caxias do Sul (RS)

São 10 torneiras de cerveja, vendida em 300ml ou 500ml. Foto: Kelly Pelisser

O Salvador Brewing Co. & Tap Room, novo pub de cerveja em Caxias do Sul (RS), inaugurou há pouco e tem tudo para ser o novo point do fim de dia e noite da cidade (se não dá para dizer que já é). Para começar, o endereço não podia ser melhor: a cervejaria e bar está instalada no complexo chamado A Fabbrica, uma construção em tijolos aparentes de 1942 que abrigou a Vinícola Luiz Michelon. Fica numa ruazinha perto da igreja do bairro Lourdes. Ao chegar e avistar a imponente construção e a chaminé preservada, mais o jogo de luzes, o primeiro impacto já é muito positivo. A Fabbrica será um complexo gastronômico, que deverá ganhar em pouco tempo um sushi e uma pizzaria (o que vai auxiliar a alavancar ainda mais o lugar).

Pedidos são feitos apenas no balcão. Foto: Kelly Pelisser

Para quem não associou o nome ainda, o Salvador é dos guris da Kombi e do caminhão militar com torneiras de cervejas que faziam eventos. A produção de cervejas é própria (todas são feitas na casa literalmente, já que a cervejaria também fica no mesmo complexo, aos fundos do bar – inclusive, paredes de vidro permitem avistar os equipamentos). Como o prédio é dos anos 1940, época da Segunda Guerra Mundial, a decoração remete ao militarismo e às batalhas do conflito mundial. Há mesas numa área externa, mas coberta, e outras internas. Todas as mesas são grandes, para serem compartilhadas, a exemplo do que se vê em bares na Alemanha, Bélgica, Espanha, e outros lugares da Europa. O conceito é muito legal, afinal, assim você acaba sempre puxando papo com as pessoas próximas e conhecendo gente nova. Também é possível sentar em bancadas próximas às paredes ou em parte do balcão do bar. Falando em balcão, os pedidos são feitos apenas ali. Não há garçons. Ah, nem cobrança de ingresso. Você paga apenas o que consumir. Na parte da direita do balcão, são feitos os pedidos de comida. Você recebe um papel com um número que é chamado num display. Então, você retira no mesmo trecho do balcão. No lado esquerdo, são feitos os pedidos de cerveja.

Chaminé preservada do complexo Fabbrica é linda! Foto: Kelly Pelisser

São dez torneiras de cerveja, que variam conforme o dia, mas algumas são as “de guerra” da casa. Os tamanhos são 300ml (com preços entre R$ 10 e R$ 20) e uma pint, 500ml (entre R$ 15 e R$ 22). Há a opção também de levar um growler de casa ou comprar lá para encher e levar (growler é um “garrafão” de cerveja). Há ainda um taster, com quatro copos de 150ml cada, em que você escolhe quatro tipos de cerveja, por R$ 30, para dividir com os amigos ou provar você mesmo várias. Falando em provar, os atendentes são muuuito gente finas, explicam tudinho sobre cerveja, se você não entende, e te dão provas se quiser tirar a dúvida sobre o que pedir. Para comer, tem batata frita (R$ 15), pizzas, com sabores básicos, cortadas em quadradinhos, ideais para dividir com os amigos (R$ 20), ou sanduíche de carne de panela (R$ 20).

Muito amor por esse sanduíche de carne de panela. Foto: Kelly Pelisser

Spoiler: não tem pilsen (por mim, ainda bem. Ahah). A mais fraquinha é uma lager, seguida por uma witbier. Eu provei várias, inclusive, o taster com quatro diferentes. Eu me enamorei muito pela Secret Serie Explosion Apa (nesse dia, era a número 10 das torneiras). Para comer, provei o sanduíche de carne de panela que leva a cerveja Dog Fight Brown Ale na preparação, mais queijo provolone e rúcula. O sanduíche é bem grande e simplesmente sensacional! Um dos melhores sanduíche de carne de panela (que já amo por si só, aquela carne desfiadinha é o máximo) que já provei.

No taster, você pede quatro tipos de cerveja de 150ml cada. Foto: Kelly Pelisser

Junte atendimento super gente fina, comida gostosa, cervejas e um lugar lindo: tem tudo para dar certo, né? Das várias pessoas que encontrei de conhecidas por lá, mais de um comentou: “não parece Caxias” (leia-se como um elogio). Bom, lembra bares da Europa, sim. Mal saí de lá e já fiquei com vontade de voltar para o QG da Salvador. Vida longa ao batalhão da cerveja!

 

Salvador Brewing Co. & Tap Room

Onde fica: Rua Nelson Dimas de Oliveira, 11, bairro Lourdes, Caxias do Sul, RS

Horários: de terça a sexta-feira, das 17h às 23h30min, e sábados, das 14h à 0h30min.

Mais: Facebook