Parque Temático Epopeia Italiana, em Bento Gonçalves (RS)

Imagens na fachada externa são novidades no parque. Foto: Kelly Pelisser

Primeiro cenário tem cartazes. Foto: Kelly Pelisser

Fui conhecer as novidades do Parque Temático Epopeia Italiana, em Bento Gonçalves (RS). O empreendimento é uma espécie de museu da imigração italiana no Rio Grande do Sul que já existe há 14 anos, mas foi agora reformulado. Com a ajuda de cenários, um filme e um ator que conduz os visitantes, a história do casal Rosa e Lázaro Giordani, que saiu da Itália em busca de uma vida melhor no Brasil, é recontada.

Vila italiana é reproduzida. Foto: Kelly Pelisser

A reforma foi feita por uma empresa especializada de Canela (RS), a D’Arte Multiarte, e envolveu 50 pessoas, que trabalharam na parte da noite, já que o parque não fechou em nenhum momento para a revitalização. O sistema de som e luz é totalmente novo, assim como o filme que é exibido em trechos ao longo do percurso. As falas do ator que interpreta Lázaro e conduz os visitantes também são novas, da mesma forma que algumas casas e detalhes dos cenários, que ficaram mais humanizados – como essa empresa de Canela destacou – com roupas nos varais, por exemplo, para dar uma cara de algo mais real. Outra novidade são uns painéis lindos com fotos no lado externo do parque.

Cenário onde neva artificialmente. Foto: Kelly Pelisser

Ator que interpreta Lázaro conta a história da construção da casa em Bento Gonçalves. Foto: Kelly Pelisser

Uma das casas tem parte aberta para mostrar o interior. Foto: Kelly Pelisser

O passeio é feito em horários determinados e o melhor, segundo a Giordani Turismo que opera a atração, é agendar com antecedência. A duração é de cerca de meia hora. No primeiro espaço, onde estão cartazes que reproduzem as propagandas sobre a América e roupas de época, o visitante vê um trecho que resume a história da imigração italiana com imagens antigas. A partir de então, é conduzido pelo guia-ator que interpreta Lázaro, que primeiro para em um cenário que reproduz uma vila italiana, com igrejinha e fonte (bem típica. Quem conhece a Itália identifica na hora). A seguir, seguem todos para um segundo cenário, que representa uma casa de interior na Itália, onde neva artificialmente por alguns instantes, dando um efeito muito bonito. Ali, os visitantes sentam para ver a primeira parte do vídeo que conta a história dos sonhos de Lázaro e Rosa. Na sequência, os turistas entram em um cenário-navio, com telas que primeiro reproduzem o mar e depois dão sequência à história do jovem casal de imigrantes. O próximo local mostra uma mata fechada, tal e qual os italianos encontraram quando chegaram na Serra gaúcha. Em seguida, passa-se a uma pequena vila que remonta as casas construídas pelos imigrantes. Seguindo, está a reprodução do centro de Bento Gonçalves em épocas passadas (mas já com a igreja Santo Antônio e várias casas que existem até hoje). Por fim, há um último cenário com um coreto, onde é feita a despedida. Ali, há uma loja de souvenirs, um espaço para tirar fotos com roupas de época e também está uma foto do casal Rosa e Lázaro de verdade, que são bisavós da família proprietária do empreendimento, junto com um baú que eles trouxeram da Itália.

Cenário reproduz Bento Gonçalves de antigamente, mas já com a igreja Santo Antônio. Foto: Kelly Pelisser

O texto da história é bem otimista, embora cite algumas das dificuldades encontradas pelos italianos nas novas terras. Os cenários são bonitos e bem estruturados. Para quem não conhece a história da imigração vale para ter um resumo. Para quem já conhece vale pela estruturação cênica.

Baú é o original trazido pelos imigrantes Rosa e Lázaro da Itália. Foto: Kelly Pelisser

Foto de Rosa e Lázaro reais. Foto: Kelly Pelisser

 

Parque Temático Epopeia Italiana

Onde fica: Rua Visconde de São Gabriel , 507, bairro Cidade Alta, Bento Gonçalves, RS

Horários: diariamente, das 8h às 18h

Ingressos: R$ 25 (crianças até cinco anos não pagam. A partir de 6 anos, a entrada é o preço normal)

Mais: site e Facebook

 

 

Anúncios

Spa do Vinho Autograph Collection Hotel e Baile Imperial, em Bento Gonçalves (RS)

Construção do Spa do Vinho é maravilhosa. Foto: Kelly Pelisser

Paisagem é a mais linda do vale. Foto: Kelly Pelisser

Para mim, a vista do Spa do Vinho Autograph Collection Hotel é a mais linda de todo o Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves (RS). É aquele tipo de paisagem que a gente pode ver centenas de vezes e continua enchendo os olhos, como da primeira vez. O hotel de alto padrão, que integra a rede internacional Marriott, conta com um condomínio vitícola e um centro vinoterápico que oferece tratamentos corporais e faciais naturais com uso de polifenóis da uva. Uma vez por ano, perto do Sete de Setembro, o Spa do Vinho promove o Baile Imperial, uma grande festa para celebrar a Independência do Brasil, com comidas, roupas e música de época, reproduzindo o país dos tempos da Corte Portuguesa.

Baile Imperial tem iluminação à luz de velas. Foto: Kelly Pelisser

Convidados recebem máscaras. Foto: Kelly Pelisser

Funcionários do hotel estão trajados de época e dançam lindamente. Foto: Kelly Pelisser

A oitava edição do Baile Imperial (em 10 anos de hotel) foi no dia 9 de setembro, um sábado. Eu fui convidada a participar e posso dizer que é uma experiência incrível. Todos os funcionários estão vestindo roupas do início do século 19, da recepção à cozinha. A atmosfera é magnífica. Você se sente num filme de época. Os participantes do jantar devem usar traje social, de preferência as mulheres de vestido longo (mas há várias de vestido até o joelho) e os homens de terno e gravata. O baile é aberto a hóspedes e não hóspedes. Os ingressos custavam de R$ 350 a R$ 550 por pessoa, dependendo do lote. Esse mais caro era do lote final.

Na entrada, você escolhe uma máscara (sim, o baile é de máscaras) à la Veneza, feita por uma artesã de Gramado em couro. As das mulheres são decoradas com plumas e pedras. Para chegar ao local da festa, é preciso descer uma escada. No topo dela, um funcionário do hotel pergunta seu nome e cidade e faz o anúncio a todos: “Recebemos no nosso baile, Kelly da província de Caxias do Sul”. Ao centro do salão fica um palco onde ocorrem apresentações. As mesas redondas para o jantar estão dispostas ao redor dele. Já a orquestra, que vai tocar ao longo de toda noite músicas clássicas como valsas e minuetos, está num outro palco próximo ao central. O salão fica meio às escuras, já que a iluminação é feita apenas com velas em castiçais sobre as mesas. O público acompanha, antes e durante o jantar, apresentações de funcionários do hotel vestidos de época, de ballet e mais de dois solistas de ópera (divinos) do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Fernanda Schleder e Frederico de Assis.

Primeiro prato: salmão. Foto: Kelly Pelisser

Segundo prato: bacalhau. Foto: Kelly Pelisser

Cabedella de peru com feijões brancos ensopados e embutidos. Foto: Kelly Pelisser

Lombo de vaca e quibebe de moranga. Foto: Kelly Pelisser

Bolos de sobremesa. Foto: Kelly Pelisser

Os pratos do jantar foram feitos por chefs convidados, reproduzindo iguarias que a Corte Portuguesa consumia no Brasil. Confesso que estava curiosa para provar o menu. De entrada, queijo coalho assado com mel, pãezinhos e manteiga. Como primeiro prato, um salmão ao molho de ervilhas com cogumelos e castanhas adoçadas (eu amei essa explosão de sabor). O segundo prato era um bacalhau au gratin com azeitonas. Na sequência, uma cabedella de peru com feijões brancos ensopados e embutidos. E por fim, um lombo de vaca e quibebe de moranga. O jantar era acompanhado de vinhos premium de vinícolas do Vale dos Vinhedos, Lídio Carraro, Don Laurindo, Almaúnica, Miolo e Don Cândido. Todo o serviço é à francesa. De sobremesa, docinhos como quindim e de nozes, bolos decorados, bem-casados, café e licor. Esses estavam em uma antessala para os participantes do jantar se servirem à vontade.

Ao fim do jantar, alguns casais dançaram na área do palco, mas a festa acabou cedo, já que a maioria preferiu se recolher aos quartos. Mas, me contaram que isso depende da resposta do público. Em alguns anos, o baile seguiu até as 4h da manhã. Mesmo sem festa madrugada adentro, o jantar espetáculo enche os olhos e vale muito a pena.

Quarto com cama enooorme. Foto: Kelly Pelisser

Eu passei a noite no hotel, num dos quartos com vista para os fundos. O grande destaque é a cama mais do que enorme, maior do que uma king size, com muitos travesseiros e almofadas, bem daquelas para se jogar. A vontade é ficar muito tempo na cama. Mas eu sugiro acordar logo para aproveitar a paisagem. O café da manhã é servido no andar térreo. Estão à disposição frutas, iogurte, pães, bolos e frios. Os garçons oferecem café, leite, sucos e espumante. Também é possível levar sua refeição para um terraço ali ao lado e tomar café apreciando a linda vista dos vinhedos e do vale. O hotel conta com uma piscina externa (também com vista para o vale), adega e bar. No último andar, há um restaurante para eventos, de onde é possível ter uma visão ainda mais magnífica da paisagem, já que é o ponto mais alto da construção.

Piscina externa do hotel. Foto: Kelly Pelisser

O hotel oferece quartos a partir de R$ 550 a diária, incluindo café da manhã. Há quartos de diversos perfis, com preços que podem chegar a R$ 2.817 a diária, com varanda com vista para o vale e banheira de hidromassagem. Os mais caros são os da parte da frente do hotel, voltados para a paisagem da vinícola Miolo. Dando uma olhada no site da rede Marriott, dependendo do dia, dá para pagar R$ 362 dos quartos mais simples. Os tratamentos do spa são pagos à parte, assim como o estacionamento.

Fonte em frente ao hotel pode ser acessada também por não hóspedes. Foto: Kelly Pelisser

Quem não é hóspede pode fazer fotos na área externa do hotel, onde fica a fonte na entrada (que tem uma vista linda para o vale), pagando o estacionamento. Não hóspedes também podem utilizar o Restaurante Leopoldina e o Bar Sabrage do hotel. Não é necessário pagar taxas, apenas o que for consumido.

Terraço onde é possível tomar café da manhã e ter vista do vale. Foto: Kelly Pelisser

O mais impactante de todo hotel é a paisagem, o entorno, o contexto. Seja para se hospedar ou apenas para visitar, o lugar é encantador e remete às regiões vinícolas mais famosas da Europa, com vales e vinhedos. E ainda por cima participar de um baile de máscaras no estilo imperial com esse cenário faz a gente acreditar que está em um filme de época. O Spa do Vinho Autograph Collection Hotel é, realmente, uma experiência única.

 

Spa do Vinho Autograph Collection Hotel

Onde fica: RS-444, km 21, em frente à vinícola Miolo, Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves, RS

Mais: site e Facebook

 

 

Reino da Longevidade, em Veranópolis (RS)

Esses são os únicos móveis que não estão à venda, por serem acervo da família. Foto: Kelly Pelisser

Coroa bem na entrada do Reino da Longevidade Foto: Kelly Pelisser

Todos os móveis do café estão à venda. Foto: Kelly Pelisser

Eu adoro roteiros pelo interior, ainda mais quando são genuínos e cercados de histórias. Tive o privilégio de fazer parte do primeiro grupo a conhecer um novo passeio turístico em Veranópolis (RS). O roteiro foi idealizado por um empreendimento jovem e super querido na comunidade de Monte Bérico: o Reino da Longevidade, um café onde todos os móveis (os que decoram o espaço e também as mesas e cadeiras onde sentam os clientes) estão à venda. Tanto os móveis no estilo rústico quanto as opções para comer são feitas pela família Fracasso. O novo passeio, chamado Segredos da Maçã, percorre as comunidades de Monte Bérico e Lajeadinho, onde se plantou o primeiro pé de maçã do Brasil.

Mesas e cadeiras onde clientes sentam no café também estão à venda. Foto: Kelly Pelisser

Amei esses móveis. Foto: Kelly Pelisser

O café Reino da Longevidade foi criado em outubro de 2016. Ele ocupa o térreo de uma casa da família, onde, no passado, funcionava uma fábrica de carrocerias. Atende aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h30min. No cardápio, estão cafés desde o tradicional expresso passando por aqueles incrementados, como irish coffe e chocolate quente com panna, até opções exclusivas, como o Café do Reino, que leva xarope de menta, e o Café da Longevidade, com calda de morango. Os preços variam de R$ 4,50 a R$ 9,50. Das comidinhas, tem várias opções bem locais: sanduíche colonial com salame ou copa, bolos, pão com geleia, palha italiana, torta tirolesa, torta de maçã, e roseta (massa de grostoli com recheio de creme). Os preços desses itens variam de R$ 4 a R$ 7,50. O café por si é um encanto só. Na entrada, há uma coroa e uma tiara com um trono, onde as crianças adoram brincar. Logo passando a porta, estão os únicos itens que não são estão à venda: uma prateleira que guarda itens antigos da família e uma cômoda que era da avó dos proprietários. O restante dos móveis, que tem um toque antiguinho lindo e são peças únicas, tem etiquetas de preço, inclusive a mesa e a cadeira onde você sentar para comer. Assim que são vendidas, as peças vão sendo substituídas.

No café também estão à venda lembranças como jogos da velha e resta um em madeira. Foto: Kelly Pelisser

A ideia da criação do espaço é da relações públicas Letícia Fracasso, que administra o Reino da Longevidade junto com o marido, Júnior. Os móveis são da fábrica dos irmãos da Letícia, o Marcelo e o Gustavo (há mais de 20 anos, eles trabalham com isso). Os dois irmãos da Letícia também são os motoristas e guias do novo passeio. Os visitantes são levados em carros que já eram de propriedade da família, apaixonada por carros antigos, um Jeep e uma Rural 1959. Uma segunda Rural está sendo preparada para se juntar ao empreendimento.

Veículos que levam ao passeio. Foto: Kelly Pelisser

Primeira parada: igreja de Monte Bérico. Foto: Kelly Pelisser

O passeio será feito apenas por agendamento e dura pouco mais de duas horas. A atividade começa e termina no próprio café e tem outros quatro pontos de parada oficial, mas também é possível pedir para parar pelo caminho para fazer fotos ou observar melhor a paisagem. Os guias vão explicando um pouco da história das comunidades por onde os veículos passam. A primeira parada é a igreja da comunidade de Monte Bérico. Depois, segue para a igreja da comunidade de Lajeadinho, onde há um busto do agricultor José Bin que, em 1935, comprou uma maçã importada da Califórnia, nos Estados Unidos, num mercado de Veranópolis e resolveu plantar as sementes na sua propriedade, dando início ao cultivo de maçãs no Brasil. A próxima parada é justamente na casa onde Bin morava. Na mesma propriedade, que pertence a descendentes do agricultor, o carro segue mais um trecho à frente para, então, os participantes do passeio abandonarem os veículos e seguirem a pé por um potreiro, por cerca de 330 metros, até um mirante onde se avista o Rio das Antas e a ponte dos arcos que divide Veranópolis e Bento Gonçalves. Realmente, a paisagem é linda e de um ângulo totalmente novo para mim da ponte símbolo da região.  De volta ao carro, o passeio continua na Vinícola Simonetto, para ouvir as histórias do proprietário e provar os excelentes vinhos do lugar. Por fim, a aventura termina no Reino da Longevidade, onde o visitante tem uma prova de alguns dos produtos do café, pão com queijo e salame, palha italiana, torta tirolesa e torta de maçã, acompanhados de um café simples à escolha ou de chá de maçã. Eu provei o cappuccino e o chá de maçã. Tudo muito gostoso, assim como as tortas (me apaixonei pela palha italiana).

Segunda parada: igreja de Lajeadinho e busto de José Bin, o primeiro a plantar maçãs no Brasil. Foto: Kelly Pelisser

A casa onde morou José Bin. Foto: Kelly Pelisser

A atividade ocorre nos mesmo dias de funcionamento do café, sábados, domingos e feriados. É possível levar de duas a oito pessoas. Os preços variam de R$ 100 a R$ 120, conforme o número de participantes. Nesse valor, já está incluída a degustação na vinícola e também o prato de degustação com uma bebida no café ao final. É legal lembrar de levar repelente e protetor solar, já que é feita uma caminhada no campo. Para reservar, é possível entrar em contato pelo telefone (54) 3441.0029 ou pelo e-mail contato@reinodalongevidade.com.br.

Tanto o café quanto o passeio valem demais a pena. Eu fiquei muito encantada e com vontade de voltar.

Vinhos para degustação na Vinícola Simonetto. Foto: Kelly Pelisser

Visitantes provam produtos do Reino da Longevidade ao final do passeio. Foto: Kelly Pelisser

Vista da ponte do Rio das Antas a partir de mirante na propriedade da família Marin. Foto: Kelly Pelisser

 

Reino da Longevidade

Onde fica: Rua Guerino Cosmo Rigon, 465, comunidade de Monte Bérico, Veranópolis, RS

Horários: sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h30min

Mais: site e Facebook

 

 

Agroecoturismo Tedesco Villa d’Asolo, em Veranópolis, RS

Propriedade resgata conexão com a natureza. Foto: Kelly Pelisser

A Tedesco Villa d’Asolo é uma propriedade rural no interior de Veranópolis (RS) que tem a marca do agroecoturismo. A ideia é incentivar nos visitantes e em alunos de escolas a conexão com a terra e o resgate de valores antigos. O atrativo fica na comunidade de Nossa Senhora da Paz, distante cerca de 3,5 km da área central da cidade, com acesso por uma estrada totalmente asfaltada. As visitas podem ser feitas apenas por agendamento.

Casa foi construída à semelhança de antigas construções de imigrantes italianos. Foto: Kelly Pelisser

Além de atender visitantes individuais e grupos, há um trabalho voltado para crianças de escolas com foco na educação ambiental. Outras opções são um merendim, com produtos típicos italianos que saem da própria fazenda, ou eventos no estilo coquetel. Tudo com agendamento prévio. Os valores dependem da quantidade de pessoas e da proposta. Para visitas, normalmente, giram entre R$ 12 e R$ 20 por pessoa. Já o merendim costuma ficar entre R$ 30 e R$ 35. O lugar trabalha dentro do conceito do movimento slow food, que prega uma alimentação mais natural, conectada às fases da produção, e saboreando o gosto das coisas.

É possível alimentar os animais. Foto: Kelly Pelisser

A casa da propriedade é uma construção recente, mas foi feita para lembrar as antigas casas de imigrantes italianos, com uma parte superior em madeira e o piso inferior em pedra. Há uma estrebaria de madeira aos fundos. Na propriedade, são criadas ovelhas, gansos, peixes e galinhas. Há um túnel por baixo da estrada para as ovelhas passarem de um lado a outro dos campos, sem atravessar a via com tráfego de carros. O terreno conta com campanário, açude, fonte de água, tirolesa, um mirante e pinguelas. Também é possível fazer um passeio num barquinho ou alimentar os animais (dar comida para as ovelhinhas é muito querido!).

Propriedade trabalha no conceito slow food. Foto: Kelly Pelisser

O visitante conhece histórias sobre o Império Romano e seu legado, a colonização italiana, os alimentos da época, a origem da polenta, astronomia, os ciclos da natureza, fases da lua e agroecologia. É uma verdadeira aula e um resgate de assuntos que andam meio esquecidos nos dias de hoje. É uma experiência muito agradável e rica, que nos reconecta com a natureza. Vale a visita.

 

 

Agroecoturismo Tedesco Villa d’Asolo

Onde: comunidade de Nossa Senhora da Paz, Veranópolis, RS

Horários: visitas podem ser feitas apenas sob agendamento. De terça a domingo, das 9h às 18h. Fones: (54) 3441.8389 ou (54) 99145.8913 ou (54) 99943.0868.

Mais: Facebook

 

 

Vinícola Simonetto, Veranópolis, RS

Foto: Vinícola Simonetto, divulgação

A Vinícola Simonetto, de Veranópolis (RS), é um daqueles lugares que merece ser visitado, principalmente se você gosta de vinhos e quer conhecer outros roteiros, além dos já tradicionais. A família se preparou para bem receber os turistas. Ao entrar na vinícola, a primeira parte é o varejo, onde são vendidas as bebidas e geleias produzidas pela família, mas também há outros itens, como sabres e acessórios para vinho, cremes para o corpo e mãos, e aromatizantes para a casa. A Simonetto produz vinhos finos e de mesa, espumantes moscatel, brut (pelo método charmat e pelo tradicional), sucos de uva e de maçã e geleia de maçã, figo e pimenta. Entre os vinhos, destaco o Tannat deles, que é maravilhoso, e um vinho que é exportado para o Japão. A bebida que vai para o continente asiático tem o rótulo todo em japonês e é feita de uva Isabel, embora não pareça, já que é um rosé bem levinho. Os japoneses descobriram a vinícola depois de pesquisas de universidades que avaliaram por que Veranópolis tem uma expectativa de vida mais elevada que a média brasileira (e uma das explicações é o consumo moderado de vinho).

A visita, que inclui degustação de produtos, custa R$ 10 por pessoa. Grupos devem ser agendados. Na vinícola, é possível aprender a fazer sabrage, a técnica, que dizem que foi inventada por Napoleão Bonaparte, de degolar a garrafa com um sabre. Eu aprendi lá a fazer, ainda na época da última Femaçã, e fiz de novo na última visita. Eu acho bem tranquilo. Depois, aprimorei a técnica e faço a degola da garrafa também utilizando a base de uma taça de vidro. Serve para impressionar as pessoas. Ahaha. Fazendo direitinho, não tem perigo e o bico da garrafa sai inteiro, não tem risco de cair vidro dentro. Depois, na vinícola, eles te dão esse gargalo degolado dentro de uma caixinha com plástico na parte superior, para você levar de lembrança com a inscrição “Sabrage da Longevidade”.

O atendimento na vinícola é super especial, feito pela própria família, o que dá uma caráter bem mais aconchegante à visita. É uma experiência que vale a pena.

 

Vinícola Simonetto

Onde: à 2km da BR 470, Km 184, nº 1730, Monte Bérico, Veranópolis, RS

Horários: visitação, degustação e varejo, de terça a sexta-feira, das 13h30min às 18h; sábados, domingos e feriados, das 9 às 11h30min e das 13h30min às 18h.

Mais: site e Facebook

 

Ateliê L’Arte Ceccato, Vila Flores, RS

Propriedade da família Ceccato tem peças em argila e ervas medicinais. Foto: Kelly Pelisser

O Ateliê L’Arte Ceccato é um lugar muito querido na pequena e simpática cidade de Vila Flores (RS). Localizado na comunidade de Linha Aimoré, fica a cerca de 2,5 quilômetros do Centro, por uma estrada totalmente asfaltada. Como o nome indica, é o ateliê onde a artesã Benedita Ceccato produz e comercializa suas peças em argila. Isso por si só já seria encantador, mas a família ainda conduz os visitantes por uma experiência onde são contadas a história da comunidade e do cotidiano dos imigrantes italianos, além de contemplar o uso de chás e ervas medicinais, também resgate da cultura dos antepassados.

Família explica sobre a comunidade e sobre cotidiano dos imigrantes italianos. Foto: Kelly Pelisser

Artesanato está em vários cantos da propriedade. Foto: Kelly Pelisser

A visita pode ser feita apenas sob agendamento. Para conhecer o local, os visitantes pagam R$ 15. Também há a possibilidade de oficinas especiais para escolas, onde os alunos aprendem sobre a cultura italiana e produção em cerâmica. A Oficina Mágica tem duração de 1h15min e a Oficina Mãos à Obra, de 2h30min. A atividade de conhecer a propriedade é chamada de Terapia Caminhante, já que os turistas vão andando, num pequeno trecho, ao redor da casa e da horta, onde há paradas para explicações sobre a história da família, o uso do barro para fazer tijolos, a formação da comunidade, entre outros assuntos. Ali, descobri que na Sexta-Feira Santa, a Linha Aimoré prepara uma procissão à noite que deve ser linda demais de acompanhar, iluminada com sabugos de milho, embebidos em combustível para pegar fogo, que ficam em galhos colocados ao longo do caminho. A cerimônia ocorre ao som de rácolas (também chamadas de matracas, em outros pontos do país), lembrando tradicionais ritos que remontam a época medieval.

Representações de São Francisco de Assis são tema constante. Foto: Kelly Pelisser

Também há representações de cenas cotidianas. Foto: Kelly Pelisser

Bom, voltando à história da visita à propriedade dos Ceccato, o turista também conhece algumas máquinas antigas utilizadas na agricultura, e, depois, entra no jardim da propriedade, onde há um relógio do corpo humano, aquela formação em que cada hora do sol representa uma parte do corpo com um canteiro com plantas medicinais que aplacam os males desse respectivo órgão. O visitante prova chás e aprende um pouco sobre como os imigrantes tratavam doenças de um jeito meio intuitivo, mas que tem explicação científica. Por fim, há uma parada num ponto que lembra a espiritualidade. A caminhada acaba no porão da casa, com grostolis doces e salgados (sim, salgados!), doce de batata doce, café e suco de limão (se aprende que é bom colocar umas gotinhas de suco de limão no café para quem tem dor de cabeça).

Visitantes são recebidos com grostolis doces e salgados, doce de batata doce, café e suco de limão. Foto: Kelly Pelisser

Achei uma fofura as Cinco Marias e esse “Canheto-toalha”. Foto: Kelly Pelisser

Ali no ateliê estão em exposição peças à venda e também do acervo de Benedita Ceccato. Entre as que não podem ser compradas, estão estátuas que representam diferentes fases da vida de São Francisco de Assis, que foram tema de uma exposição em Caxias do Sul, no Museu dos Capuchinhos. Mas há várias outras representações desse santo que podem ser adquiridas. Eu comprei uma pequena, super querida, que custou R$ 25, além de terços feitos de barro por R$ 8. Além de temas religiosos, também há peças que representam situações cotidianas do interior. E outros artigos muito queridos, como uma toalhinha de colocar na bolsa em forma de cachorro (chamada de Canheto) e o jogo das Cinco Marias, com bonequinhas com cabelinho, vestido e carinhas (literalmente, as Marias). A caminhada dura em torno de 1h a 1h30min. É visita obrigatória para quem for à Vila Flores. A recepção é muito simpática e acolhedora. Ah, e para quem for no Filó depois, encontrará os Ceccato por lá, mostrando que a família tem muitos outros dons artísticos. 😉

 

Ateliê L’Arte Ceccato

Onde: Linha Aimoré, Flores, RS

Horários: Atendimento apenas sob agendamento. Ligar para (54) 3447.1261 ou (54) 99919.1118.

Mais: Facebook

 

Filó de Vila Flores, RS

Cantoria no filó de Vila Flores é acompanhada por gaitas. Foto: Kelly Pelisser

É muito provável que você já conheça a história dos imigrantes italianos, que saíram do norte do país europeu, fugindo da miséria no final do século 19, em busca da promessa de riqueza no continente americano. Mas você nunca ouviu do jeito em que contam no Filó de Vila Flores, RS. O grupo animado resgata a memória da imigração e dos filós, as reuniões noturnas para comer, beber, conversar e rezar, dos descendentes desses primeiros imigrantes. A função rola à noite, apenas por agendamento, para grupos. Para se ter uma ideia de como a atração é popular: não há mais datas disponíveis para grupos nas sextas e sábados até o fim de 2017 e já há dias de 2018 reservados.

Tudo começa com a história da imigração italiana. Foto: Kelly Pelisser

As estrelas do filó são pessoas da própria comunidade de Vila Flores, que durante o dia trabalham, realizam os afazeres de casa, e à noite transformam a habitação de madeira com porão de pedra, quase às margens da BR-470, em palco de uma pequena Broadway da colônia. A maioria deles são idosos, lá pelos 70 anos, mas têm energia de sobra. Parecem se multiplicar, para cantar, preparar comida, recolher e lavar os pratos que somem por encanto. Como se a polenta tivesse uma dose de Red Bull como ingrediente especial.

Tem polenta! E a música da Bella Polenta. Foto: Kelly Pelisser

Os visitantes são recebidos à luz de lampião e com grostolis no lado de fora da casa e acomodados em cadeiras no piso inferior da residência, também apenas com a luz de lampiões, para lembrar dos tempos em que se fazia filó, mas ainda não havia energia elétrica. Aí, se segue um teatro, misto de musical, para contar a saída dos imigrantes da Itália e a chegada ao Brasil. A interpretação dos nonninhos é demais! O que vem na sequência é uma festa animada, com música cantada ao vivo e tocada em gaitas. Depois, começa o jantar, com polenta mole, acompanhada de molho de frango ou de guisado, salame, queijo, grostoli, bolos, pão, vinho (servido num barrilzinho) e suco. Um pequeno intervalo onde os visitantes são convidados a conhecer a Casa do Artesão, no piso superior da residência, onde são vendidos artigos de palha, chapéus, toalhas e itens de decoração. Na volta, tem mais música, pinhões assados na chapa do fogão à lenha, chá, jogo de mora e piadas bem pesadas contadas pelo velhinhos. Ah, vou dar um spoiler: nessas músicas da reta final, tem até uma senhora que tira a calcinha. A interpretação dela é primorosa. Também tem um brincadeira usando um chinelo triplo, feito com uma tora de madeira, em que três pessoas calçam e tentam andar juntas. Tentam, porque os velhinhos do filó conseguem na boa. Mas os visitantes costumam cair ou não sair do lugar. Rende boas risadas.

Mesa com comida fica ao centro. As pessoas se servem e sentam em cadeiras ao redor. Foto: Kelly Pelisser

E mais comida. Foto: Kelly Pelisser

O filó funciona apenas por agendamento. Para reservas, é necessário um depósito antecipado. O valor do ingresso adulto é de R$ 80 por pessoa. Crianças de até seis anos não pagam e de 7 a 12 anos pagam R$ 40. É aceito pagamento em dinheiro ou cheque. O filó, normalmente, começa às 19h30min e tem duração de três horas e meia. Grupos devem ter, no mínimo, 40 pessoas e, no máximo, 80 pessoas. Quem estiver sozinho, em casal, ou num pequeno grupo de amigos, pode tentar se encaixar em grupos já agendados. Para as sextas e sábados, até o fim de 2017, não há mais vagas para grupos grandes, mas se você estiver em poucas pessoas pode tentar ver se não há lotação máximo no dia em que você pretende ir. É uma experiência que vale demais à pena. Mesmo se você já conhece a história da imigração e as músicas italianas tradicionais, não tem como ficar indiferente. É engraçado, é surpreendente. Apenas um conselho: vão. E se divirtam.

Esse é o chinelo triplo que rende risadas. Foto: Kelly Pelisser

Na parte de cima da casa onde rola o filó, tem venda de artesanato. Foto: Kelly Pelisser

 

Filó de Vila Flores

Onde: Rua Luiz Roncatto, 31, bairro São Luiz, próximo à BR-470, Km 117, Vila Flores, RS

Horários: Acontece à noite, normalmente, com início às 19h30min, e duração de 3h30min. É feito apenas sob agendamento. Para sextas e sábados, até o final de 2017, não há mais vagas para grupos.

Contato: (54) 99167.0633 ou (54) 3447.1195

Mais: Facebook