Viagem dos Sabores terá gastronomia de sete países em restaurantes de Caxias do Sul (RS)

Uma volta ao mundo em sete dias sem sair de Caxias do Sul (RS): essa é a proposta da 6ª edição do Viagem dos Sabores. O evento rola de 15 a 21 de outubro, reunindo 23 restaurantes de Caxias que oferecem um passeio pela gastronomia brasileira, americana, alemã, espanhola, francesa, japonesa e italiana. O evento é realizado pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC) e pelo Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria Região Uva e Vinho (SEGH).

Durante uma semana, os 23 restaurantes participantes do Viagem dos Sabores vão oferecer o prato típico da sua etnia (entrada + prato principal + sobremesa) com o valor fixo de R$ 59,90. A novidade desta edição fica por conta da realização de um jantar temático que cada um dos restaurantes vai oferecer ao público (veja relação abaixo). E também vão ocorrer apresentações artísticas e culturais do país escolhido. Os ingressos para os jantares temáticos podem ser adquiridos com os restaurantes participantes, com o SEGH e CIC. Bem bacana a ideia, né?

RESTAURANTES PARTICIPANTES:

ETNIA BRASILEIRA
Água Doce Cachaçaria – jantar temático 18.10
Arcanjo Fondue – jantar temático 17.10
Paiol Espaço Nativo – jantar temático 17.10
Tapiocaria Caxias – jantar temático  21.10

ETNIA AMERICANA
Alligator – jantar temático  15.10
Mississippi Delta Blues Bar – jantar temático  17.10
Puerto Container – jantar temático  16.10

ETNIA ALEMÃ
Merceretto – jantar temático  18.10
Intercity Premium Caxias – jantar temático  20.10

ETNIA ESPANHOLA
Baitakão – jantar temático  15.10
Château Lacave – jantar temático  18.10
La Cueva Gastronomia Y Arte – 19.10

ETNIA FRANCESA
Bar Secreto – jantar temático  16.10
Luna Rosa Ristorante – jantar temático  19.10

ETNIA JAPONESA
Mi Puerto Sushi – jantar temático  18.10
Soulshi Fabrica – jantar temático  16.10
Soulshi Lourdes – jantar temático  15.10

ETNIA ITALIANA
Alameda Pizzeria – jantar temático  15.10
Cantina Pão e Vinho – jantar temático  20.10
Casa Di Paolo Lourdes – jantar temático  16.10
Nella Pietra Pizzaria – jantar temático 17.10
Restaurante Don Claudino – jantar temático 19.10
Tradizionale Pizzaria – jantar temático  21.10

Anúncios

La Cantinetta del Mulino, em Caxias do Sul (RS)

La Cantinetta del Mulino fica na Estação Férrea de Caxias. Foto: Kelly Pelisser

O pessoal do restaurante Mulino, de Caxias do Sul (RS), inaugurou uma nova casa, a La Cantinetta del Mulino. Enquanto o empreendimento mais velho serve jantar, o caçula dá conta do almoço e do happy hour. A La Cantinetta abre de segunda à sábado, das 11h30min às 14h, e depois reabre das 16h às 20h. A ideia é ser uma espécie de cantina italiana, com massas frescas, feitas lá mesmo, no horário do meio-dia, e servir drinks, tábua de frios, vinhos e espumantes ou mesmo um café no fim do dia. A novidade fica no conjunto do Moinho da Estação, ao lado do prédio do Mulino (ali onde é a entrada do estacionamento do conjunto). Além de um espaço interno, com mezanino, tem mesinhas do lado de fora com ombrelones (uma graça para os dias mais quentes).

Decoração do espaço interno com panelas no La Cantinetta del Mulino. Foto: Kelly Pelisser

O cardápio do almoço é o próprio jogo americano das mesas e conta com 10 opções de massas, a maioria com algum tipo de carne em conjunto. Todos os pratos vem com uma mini salada de folhas. Os preços variam de R$ 19,90 (do prato do dia) até R$ 48 (espaguete com camarões grelhados). A maioria fica na faixa de R$ 22 a R$ 28. Tem desde polpetone recheado, acompanhado de espaguete na manteiga e sálvia; passando por tortelini de espinafre recheado aos três queijos e nozes ao molho de natas e iscas de filé; até matambre recheado com polenta mole, para se ter ideia de alguns pratos. De sobremesa, as opções são semifredo, sorvete, brigadeiro gourmet e creme de bombons. Os preços dos doces vão de R$ 3,50 a R$ 14. Para beber, água, suco de laranja ou uva, refrigerantes, vinho em taça, cervejas, café e chá.

Pedi uma tilápia grelhada com espaguete de legumes. Todos os pratos vem com salada de folhas. Foto: Kelly Pelisser

Eu almocei por lá e pedi uma tilápia grelhada com espaguete de legumes salteados com ervas finas e raspas de limão. Esse prato custa R$ 25. Veio bem rápido e o peixe era bem temperadinho. O espaguete de legumes, para quem não conhece, nada mais é do que tirinhas de legumes variados, como cenoura, beterraba e abobrinha (sim, sou fit. Hehe). Claro que vou querer voltar outra vez para conhecer as massas da casa. De sobremesa, pedi um creme de bombons no copinho (R$ 6) e mais um café passado (R$ 3). Bem bonitinhos e garantia de prazer no pós-almoço. O total da minha conta deu R$ 34.

De sobremesa, creme de bombons no copinho e um cafezinho passado. Foto: Kelly Pelisser

Dei uma olhada também no cardápio do fim do dia. Ele conta com tábua de frios (em duas opções, por R$ 29), sanduíches, foccacia, brusqueta, polenta frita, bolo, doces, além de outras opções de aperitivos. Para beber, tem drinks (na faixa dos R$ 20), vinhos e espumantes, além de café e outras bebidas. Fiquei com muita vontade de voltar num fim de dia quentinho para aproveitar esse pátio ao ar livre (sou apaixonada por lugares com mesas do lado de fora).  La Cantinetta del Mulino é um lugar bacana para um almoço diferente ou para aquele drink ou café para relaxar no fim do dia, curtindo o movimento da região da antiga estação férrea de Caxias.

 

La Cantinetta del Mulino

Onde fica: Rua Coronel Flores, 750, sala 3, bairro São Pelegrino, na região da antiga Estação Férrea, Caxias do Sul (RS)

Horários: de segunda a sábado, das 11h30min às 14h, e das 16h às 20h.

Mais: Facebook da La Cantinetta del Mulino

Rasen Platz, em Gramado (RS)

Salão do Rasen Platz Gramado com bandinha típica alemã. Foto: Kelly Pelisser

Fui para Gramado (RS) e queria comer em um restaurante típico alemão. Foi exatamente o que eu encontrei no Rasen Platz. Aliás, foi melhor do que eu esperava. Ele é igualzinho aos restaurantes das cervejarias de Munique, na Alemanha, com seu clima de eterna Oktoberfest. O Rasen Platz fica na Rua Coberta, um dos endereços nobres, bem no centro de Gramado. Tem o espaço com mesas do lado “de fora”, como os outros da Rua Coberta, mas o mais legal está lá dentro. Tem um palco onde uma bandinha típica alemã se apresenta, mesas grandes, atendentes vestidos tipicamente, o teto característico, e, claro, muita cerveja, incluindo a de caneco de um litro.

Joelho de porco no Rasen Platz Gramado. Foto: Kelly Pelisser

O cardápio tem petiscos de entrada, pratos principais, saladas e sobremesas. Também dá para optar por uma sequência alemã que vem com creme de batata com bacon, torradas com geleia, bolinho de atata, croquete de porco, torresmo, salsicha bock, joelho de porco, porco assado, filé de proco à milanesa, batata rústica, purê de batata, maionese, chucrute, carré de porco, goulash, molhos de mel defumado e mostarda, mais apfelstrudel quente e torta de maçã gelada. Ufa! Esse sai por R$ 89,90 por pessoa. Entre as opções à la carte, tem carne de porco (óbvio), de gado, pato e até peixe, além de (também óbvio), salsichas.

Pretzel no Rasen Platz Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Na primeira vez que fui lá, pedi o mais alemão dos pratos, o joelho de porco. Vem acompanhado de chucrute e purê de batata (tudo muito típico). Custa R$ 119 e diz que dá para duas pessoas. Mas, olha, comem tranquilamente três pessoas, porque é muito gigante. De entrada, pedi um pretzel salgado (porque, sim, saudades, Alemanha). Esse sai por R$ 12,50 e vem com um patezinho. As cervejas estão disponíveis nas versões de 300 ml, 600 ml ou litro. No cardápio, estão listados sete tipos, mas nem todos estavam disponíveis. Da menor, os preços variam de R$ 13,90 a R$ 15,90. Já as de litro saem por R$ 38 a R$ 42. Escolhi a de litro (óbvio, né) Braza Apa. Muuuuuito boa mesmo.

A comida vem rápido e é muuuuito boa! O joelho de porco estava maravilhoso. Divino mesmo, com casquinha crocante. A banda fica tocando no jantar e você se sente na Alemanha. De noite, te dão até uns chapeuzinhos de papel típicos. Os músicos passam de mesa em mesa, perguntando de que cidade as pessoas são e saudando cada um. É muito divertido. Não tem como não entrar no clima.

Porco assado no Rasen Platz Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Adoramos tanto que voltamos no dia seguinte. Ahah. Sim! Dessa vez, outro clássico, o porco assado, com salada de batata e chucrute. Esse sai por R$ 105 e também serve tranquilamente três pessoas. Igualmente, casquinha crocante deliciosa e bem cozido e bem temperado por inteiro.

Quem já esteve na Alemanha e quer matar a saudade ou quem nunca esteve e quer conferir como é uma festa típica, tem que passar no Rasen Platz de Gramado.

 

 

Rasen Platz

Onde fica: Rua Coberta (Rua Madre Verônica, 50), Centro, Gramado (RS)

Horários: diariamente, das 11h às 23h45min

Mais: Facebook da Rasen Platz

Hard Rock Cafe Gramado, em Gramado (RS)

Fachada externa do Hard Rock Café Gramado e a famosa fila. Foto: Kelly Pelisser

O Hard Rock Cafe Gramado é a segunda unidade da franquia internacional no Brasil (a primeira fica em Curitiba – PR). Aberta em julho de 2018 na cidade de Gramado (RS), a casa continua atraindo a curiosidade dos turistas que passam por lá. Sendo assim, se prepare para pegar fila para entrar.

Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Eu fui para Gramado no feriadão de Sete de Setembro e desisti mais de uma vez de conhecer o Hard Rock por causa da fila que se formava lá fora. Quando, finalmente, resolvi encarar, fui cedinho, às 18h, pensando em jantar lá. A fila estava pequena, mas, na portaria, nos informaram que tinham umas 30 pessoas na nossa frente esperando mesa. Mas, assim que coloquei os pés na casa já me chamaram para uma mesa. Não sei se foi o fato de eu estar com meus pais (e eles terem mais de 60 anos – embora ninguém tenha perguntando nome ou idade) ou se não era bem assim a espera para fila. Bom, melhor assim, de qualquer jeito.

Casa tem palco. Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

A casa tem três andares. Mas, na prática, são só dois ocupados. O terceiro é reservado apenas a clientes VIPs. Há também um pequeno deck do lado de fora no primeiro andar, mas, como é descoberto, não é legal ficar lá em dias de chuva, frio ou sol muito forte.

Palco do Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Nos levaram para uma mesa no segundo andar. Todos os funcionários são extremamente gentis e sorridentes. O cardápio, claro, segue o estilo de outros Hard Rocks, com hambúrgueres, drinks, sobremesas, cortes de carne e massas. Os drinks saem por valores entre R$ 26,90 e R$ 39,90. Um mojito, por exemplo, custa R$ 29,90. Para comer, tem fajitas; mac, chicken and cheese; rib eye (um corte de carne), filé de salmão grelhado. As massas estão na faixa de R$ 48,90. Já as carnes na casa dos R$ 80. O cardápio inclui ainda costela suína, meio frango marinado e um combo com três carnes, além de sanduíches. Também dá para pedir acompanhamentos separados, como batatas fitas, vegetais, anéis de cebola e Caeser Salad. De sobremesa, há opções de cheesecake, torta de maçã, sorvete, sundae, brownie e milkashakes. Tem oito tipos de hambúrguer e todos custam R$ 59,90, vem com 220 gramas de carne e são acompanhados de batatas fritas. O Original Legendary Burger vem com bacon, queijo cheddar, onion ring, alface americana e tomate. Já o que eu escolhi, o Guinness Bacon Cheeseburger, tem molho de queijo aromatizado com Guinness, geleia caseira de bacon, whiskie irlandês, alface e tomate (sim, saudades, Dublin, saudades, Irlanda). Para beber, eu escolhi um drink não alcoólico, o Strawberry Basil Lemonade, com morangos, manjericão e limonada. Esse custa R$ 17,90. Ou seja, para comer e beber por lá, espere pagar, pelo menos, de R$ 80 a R$ 100 por pessoa. O pedido vem rápido e estava bem gostoso, realmente.

Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Bom, mas, além do cardápio, a grande atração está nas paredes da casa, a coleção de itens de artistas mundialmente famosos. E, claro, lá estão também no Hard Rock Cafe Gramado. Tem discos, guitarras e roupas do Kiss, Bon Jovi, Joe Perry, Red Hot Chilli Peppers, Imagine Dragons, Madonna, Michael Jackson, Katy Perry e Beyoncé, entre outros. Vários desses itens ficam bem em cima das mesas encostadas nas paredes. Ou seja, não vai dar para fotografar muito de perto porque estarão ocupadas por outros clientes. Na parte da frente, fica a loja que vende itens como camisetas, bonés e copos do Hard Rock. A casa também conta com um palco no primeiro andar, onde são realizados shows. Nesses dias, há cobrança de couvert. É só conferir nas redes sociais do Hard Rock Gramado quando tem apresentações musicais, porque, pelo que vi, não seguem dias específicos. Tanto no primeiro como no segundo andar, há balcões estilo bar, onde dá para ficar tomando bebidas.

Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

 

A casa segue, tanto no estilo, como no cardápio, o padrão dos Hard Rocks pelo mundo. A marca, que tem uma legião de fãs, principalmente os que curtem rock, tem mais um belo lugar na cidade de Gramado.

Hambúrguer e batata frita do Hard Rock Café Gramado. Foto: Kelly Pelisser

 

Hard Rock Cafe Gramado

Onde fica: Rua Wilma Dinnebier 180, Gramado (RS)

Horários: diariamente, das 12h às 23h

Mais: Facebook do Hard Rock Cafe Gramado

Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado (RS)

Le Jardin Parque de Lavanda em Gramado, na Serra gaúcha. Foto: Kelly Pelisser

Numa visita a Gramado (RS), fui conhecer o Le Jardin Parque de Lavanda, um atrativo ainda não tão conhecido, mas simplesmente encantador da cidade mais turística da Serra gaúcha. É um jardim, lindo, lindo, lindo, com centenas de espécies de flores, estufas onde se vendem mudas e plantas, uma loja com cosméticos e essências, e mais um café onde é servido apfelstrudel.

Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

O Le Jardin fica na RS-115 (em direção ao município de Três Coroas), bem antes do Zoológico de Gramado, a uns seis quilômetros do Centro. Eu fui em setembro, quando a entrada era gratuita, mas, a partir de outubro, eles fixaram um preço de R$ 10 para a visita (a partir dos sete anos de idade). Num período de transição, o parque informa que cobrará meia entrada. O estacionamento continua gratuito. Ah, também dá para chegar lá de Uber, táxi ou de ônibus.

Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

O espaço tem flores em diversos níveis, de tipos variados, e está sempre florido o ano todo. Mas diz que a floração das lavandas é entre outubro e dezembro. Há fontes, paredes vivas e um coreto. Como o terreno é em desnível, dá para fazer lindas fotos da parte mais alta. Aliás, vá com bastante bateria no celular. Dá para fazer fotos incríveis em todos os lugares. Também tem uma bicicleta parada ao lado da casa, com o cestinho cheio de flores, super fotografável.

Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Na parte mais alta, ficam estufas, onde as plantas do jardim crescem, e também estão à venda. Tem temperos, plantas ornamentais, flores, cactos, suculentas, vasos, insumos. Quem gosta de flores, vai pirar. Ah, também estão pelo parque, mas presos enquanto há visitantes, dois cães brancos super queridos, o Apollo e o Snow, que adoram carinho. O lugar, aliás, é pet friendly.

Esse é um dos cães do Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Estufas no Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

Na parte superior da casa, tem uma loja com produtos como sabonetes, velas, cremes, cosméticos com essências de plantas. E ali também fica um café, que serve strudel de maçã, feito na hora. Ah, fora isso, só tem sorvete, biscoito e outras pequenas coisas no balcão. Também é preciso estar atento porque só sai uma fornada de apfelstrudel por vez. Na hora que cheguei lá, tinha que esperar mais de 40 minutos pela próxima, e quando saiu, se foi rapidinho. Dá  para escolher só o strudel de maçã, ele acompanhado de chantilly ou uma bola de sorvete de creme, ou ainda num combo com chá de maçã. Os preços variam de R$ 15 (o simples) até R$ 23 (no combo com um complemento e o chá). Eu peguei esse último. O chá é bem gostosinho e a massinha do strudel é bem fininha.

Apfelstrudel e chá de maçã no Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

O lugar é totalmente encantador e virou um dos meus preferidos em Gramado. Se eu puder sugerir um lugar para conhecer na sua próxima visita à Gramado, é o Le Jardin Parque de Lavanda num dia de sol.

Le Jardin Parque de Lavanda, em Gramado. Foto: Kelly Pelisser

 

Le Jardin Parque de Lavanda

Onde fica: RS 115,n° 37700, bairro Várzea Grande, Gramado (RS)

Horários: de terça a domingo, das 9h30min às 17h30min (o café fecha às 17h)

Ingressos: R$ 10 a partir dos sete anos

Mais: Facebook do Le Jardin Parque de Lavanda e site do Le Jardin Parque de Lavanda

Picnic da Vinícola Don Giácomo, em Caxias do Sul (RS)

Picnic na vinícola Don Giácomo é armado no quintal do estabelecimento no bairro Colina Sorriso, em Caxias. Foto: Kelly Pelisser

A Vinícola Don Giácomo,de Caxias do Sul (RS), está oferecendo a partir desse mês um picnic no gramado ao lado do estabelecimento. O mais legal é que a vinícola fica na área urbana de Caxias, no bairro Colina Sorriso, a uns cinco quilômetros do Centro, pertinho da Pizzaria Giordani ou dos Pavilhões da Festa da Uva. Então, é uma opção interessante tanto para moradores de Caxias quanto para turistas. O picnic funciona somente sob agendamento e pode ser feito em qualquer dia da semana ou fim de semana a partir de duas pessoas.

Pizza é uma das opções do picnic. Foto: Kelly Pelisser

As opções são pizzas (de sabores diversos, quatro queijos, calabresa, frango) ou uma tábua de frios, com queijos, salame, azeitona, pães. Se a opção for apenas uma pizza, ela serve duas pessoas. Os clientes também escolhem qualquer produto da vinícola. Há vinhos comuns e finos, espumantes, e suco de uva tinto, branco e rosé. Os preços variam conforme a escolha das comidas e dos vinhos. A pizza, para se ter uma ideia, custa R$ 30, e os vinhos tem opções a partir de R$ 16.

O gramado é enorme e fica no pátio onde a família proprietária da vinícola reside. Nele, é montado um pequeno tablado com pallets de madeira, que ganham uma cobertinha colorida e cesta de picnic com os produtos. Tudo bem simples, mas caprichado.

Vinícola também tem varejo. Foto: Kelly Pelisser

A vinícola fica bem ao lado, também é possível visitá-la e conhecer um pouco da produção. Na parte da frente, funciona um varejo que atende todos os dias (nos domingos, apenas pela manhã), e vende os produtos da vinícola e também geleias de frutas produzidas no distrito de Fazenda Souza, da marca Morada das Frutas (provei e adorei a de bergamota, que deve super combinar com espumante ou até como calda de sorvete).

A vinícola também oferece serviço de spa day, num espaço montada na garagem de uma das casas do terreno, com opções variados, como massagem, spa das mãos e tratamento facial, alguns feitos com produtos à base de uva, também sob agendamento.

Conheci o lugar no dia do lançamento dessas novas opções de enoturismo e achei tudo bem simpático e acolhedor. Vale a pena visitar. É um lugar diferente e bem pertinho do centro. E é muito legal que as vinícolas de Caxias estejam investindo também em turismo. Então, vamos prestigiar.

 

Vinícola Don Giácomo

Onde fica: Rua Rosalimbo Guerra, 450, bairro Colina Sorriso, Caxias do Sul (RS)

Horários: o picnic é feito apenas sob agendamento em qualquer dia, da semana ou fim de semana. O varejo da vinícola atende de segunda a sábado e feriados, das 9h às 18h, e nos domingos, das 9h às 12h.

Contato: (54) 3211.3511 ou pelo WhatsApp (54) 99903.3409.

Mais: página no Facebook

Tour Sabor e Fé, na Adega Chesini, em Farroupilha (RS)

Varejo da Adega Chesini. Foto: Kelly Pelisser

A Adega Chesini, uma vinícola familiar localizada na comunidade de Vila Rica, em Farroupilha (RS), lançou um tour chamado Sabor e Fé, que apresenta o empreendimento com uma visão diferente do que estamos acostumados a ver em outros passeios turísticos desse tipo e com um cardápio que também foge do convencional da região, com uma refeição inspirada na Bíblia. O mote do passeio é a religiosidade, a conexão com algo mais profundo em nosso interior. O tour é feito apenas para grupos, sob agendamento aos sábados.

Antiga roda d’água. Foto: Kelly Pelisser

Enoteca da Chesini. Foto: Kelly Pelisser

Fonte e imagem de Santa Lúcia, responsáveis pelo milagre. Foto: Kelly Pelisser

O Sabor e Fé se inicia no varejo da vinícola, por volta das 11h30min, quando os visitantes conhecem um pouco mais sobre a casa. Fundada nos anos 1970, a vinícola inicialmente produzia só vinhos comuns, depois, nos anos 2000, passou a fabricar vinhos finos, incluindo espumantes pelo método tradicional. A Chesini também é uma das poucas vinícolas que produzem vinho canônico, aquele utilizado pelos padres nas missas (é um vinho rosé, feito com uvas Isabel, licoroso – doce -, e muito alcoólico – 16 graus). O visitante conhece a área de produção, onde foram conservadas também as antigas pipas de madeira (que não são mais utilizadas) em meio aos tanques modernos de inox. A Chesini conta ainda com uma enoteca, onde estão guardados vinhos de safras anteriores, e um pequeno museu com objetos antigos.

Mesas postas para o almoço em meio aos tanques de inox. Foto: Kelly Pelisser

Pães incluem um sem fermento, como nos tempos bíblicos. Foto: Kelly Pelisser

Mas o lugar também guarda uma história bem especial, que é um dos pilares do passeio: um milagre que teria acontecido na propriedade. Em 1932, ainda antes da vinícola, a família Chesini era proprietária de um moinho e de uma ferraria. Um dos irmãos do depois fundador da vinícola, chamado Eduardo, foi atingido por limalha de ferro nos olhos enquanto trabalhava na ferraria. Os médicos deram o diagnóstico: ele havia ficado cego para sempre. A família buscou na religiosidade o consolo: fez uma novena para Santa Lúcia, a santa protetora dos olhos, e todos os dias, Eduardo lavava o rosto em uma fonte que fica na propriedade. E a graça pedida foi alcançada: ele voltou a enxergar. A família construiu um capitel em homenagem à santa e o padre que foi abençoá-lo batizou a comunidade, que ainda não tinha nome, como Vila Rica, pela riqueza da fé dos seus habitantes. O visitante do Sabor e Fé conhece essa história, assim como a roda d’água que tocava o moinho e a ferraria, e a fonte onde Eduardo lavou os olhos ao lado de uma imagem de Santa Lúcia pintada em azulejos.

Momento de partilha do pão e do vinho. Foto: Kelly Pelisser

Depois disso, há um momento de partilha do pão e do vinho (o canônico), com leitura de algumas passagens bíblicas, e também a lavagem das mãos com água, para que cada um pense o que deve purificar em si. O momento é acompanhado de canções ao violão tocadas e cantadas por um jovem de 14 anos da comunidade. Finalizada essa parte, os visitantes são convidados ao almoço em mesas postas junto às pipas onde são produzidos os vinhos da vinícola. Todos os pratos têm ingredientes citados em passagens bíblicas. Para começar, entradinha com pães e patê com ervas (muito gostoso mesmo). No almoço, são servidos pães, inclusive um sem fermento (assim como nos tempos de Jesus), um peixe recheado (com um tempero divino, com o perdão do trocadilho), lentilhas, arroz e salada. De sobremesa, tem pera ao molho de vinho. Claro, todos os pratos são harmonizados com produtos da vinícola, incluindo um moscato e um moscatel, já que Farroupilha tem indicação de procedência para vinhos produzidos com essa uva. Também são colocados à mesa suco de uva integral, água e um cabernet sauvignon. A experiência é muito válida e interessante por ser diferente de outros tours oferecidos por vinícolas na região. O passeio é cheio de simplicidade e beleza, assim como a pequena vinícola. Apesar de ter o mote da religiosidade (e da religião católica, em especial), não tem clima de pregação, apenas de reflexão sobre questões espirituais.

Entradinha com patê de ervas. Foto: Kelly Pelisser

Peixe como prato principal. Foto: Kelly Pelisser

O Sabor e Fé está disponível para grupos de 12 a 25 pessoas, com agendamento prévio, pelo valor de R$ 95 por pessoa.  Mais informações pelo telefone (54) 3464.2424 ou pelo e-mail visitas@adegachesini.com.br. A comunidade de Vila Rica, onde está a vinícola, pode ser acessada na estrada velha que liga Farroupilha a Garibaldi, (inclusive é muito mais próxima de Garibaldi do que do centro de Farroupilha), nas proximidades do Desvio Blauth e do parque da Fenachamp. A Chesini fica bem ao lado da igreja da comunidade.

Sobremesa de pera ao vinho. Foto: Kelly Pelisser

Gran Vin, vinho ícone da Adega Chesini é, realmente, espetacular. Foto: Kelly Pelisser

Cardápio

Antepasto: Patê de manteiga com ervas finas. Saladas: Alface com frutas secas e azeitona; Ervas amargas (radicci e rúcula). Pratos quentes: Peixe recheado assado, arroz e lentilha. Acompanhamentos: Pães e farofa. Sobremesa: Pera ao vinho tinto com calda de mel.

Bebidas

Vinho Rosado Licoroso; Vinho Branco seco Moscato (IP Farroupilha); Vinho Branco seco Lorena; Vinho Tinto Seco Cabernet Sauvignon; Espumante Moscatel; Suco de Uva integral; Água.