Fenamassa 2017, em Antônio Prado (RS)

Igreja de Antônio Prado é super lindinha também. Foto: Kelly Pelisser

Fui visitar a Fenamassa 2017 em Antônio Prado, RS. O Festival Nacional da Massa começou neste findi e segue entre os dias 15 e 19 de novembro (entre o feriado e domingo). Toda a função rola na praça central, no entorno das casas históricas, com entrada gratuita. Um toldo gigante foi colocado para abrigar a festa, mas as laterais são abertas, o que dá uma cara muito legal, de evento ao ar livre, ainda mais com o cenário dos casarios ali perto. Lembra muito eventos gastronômicos da Europa. Nos oito dias do festival, são esperadas 25 mil pessoas, bem mais do que o número de habitantes da cidade, 13 mil.

Almoço servido no restaurante que reproduz salões de colônia. Foto: Kelly Pelisser

Antônio Prado tem 46 empresas formais que produzem massas. E a cidade é uma graça só. O Centro é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por causa de 46 construções do início do século passado. A mais linda é a edificação de madeira de dois andares amarela, a Casa da Neni, que hoje abriga o Museu Municipal (dá para visitar de graça). Outra que vale a visita é a Casa de Artesanato, onde eu me encantei pelo trabalho em renda chamado frivoletê, que só tem em Antônio Prado ainda. A maioria das edificações antigas abriga pontos comerciais atualmente.

O chafariz tá lá embaixo do toldo da Fenamassa. Foto: Kelly Pelisser

Ali bem ladinho, a Fenamassa conta com 55 expositores de produtos diversos, incluindo quatro vinícolas da cidade, mais cinco restaurantes que são a alma do evento. Um deles reproduz os típicos almoços de colônia e os outros quatro têm um cardápio composto por vários tipos de diferentes de massas (óbvio), que variam conforme o dia e não são iguais de um para outro. O preço é fixo em todos, R$ 45 por pessoa, no sistema de rodízio (você senta e é servido na mesa, podendo repetir), com direito a uma bebida por pessoa. Há também a opção empratado, por R$ 35 por pessoa, quando vem um prato pronto apenas. Ao todo, são 600 lugares, que servem refeições durante todo o horário de atendimento da feira (no feriado, sábado e domingo, das 10h às 22h, na quinta e sexta, das 18h às 22h).

São cinco restaurantes, cada um com um cardápio com muuuuita massa. Foto: Kelly Pelisser

Nos estandes que vendem massa fresca, a dica é procurar pelo que eles chamam de pipoca de gringo, que nada mais é do que agnoline (ou capeletti) frito. É bem gostoso, estilo salgadinho ou petisco. Para quem é intolerante a glúten, há, no espaço dos expositores, uma empresa de produtos glúten free, a Alecrim, que serve lanches, como pizzas e salgados. O festival oferece ainda oficinas gastronômicas gratuitas e um espaço muito legal chamado Mão na Massa, onde noninhas ensinam como sovar massa, fechar capeletti e fazer bíguli. Há ainda shows locais e estaduais, sempre com entrada franca. Outra atração é um passeio turístico pelo centro histórico num ônibus antigo, com saída de hora em hora, por R$ 15 por pessoa. Tem ainda uns eventos especiais, como no sábado passado, quando acompanhamos uma competição de quem comia mais tortéis. O vencedor, Francisco Tormena, comeu 128 tortéis no período de duas horas (sim, 128 tortéis! Acreditem! Eu nunca mais ia querer ver essa massa na vida, mas ele disse que vai se preparar para comer 150 na próxima edição).

Espaço Mão na Massa é muito legal. Foto: Kelly Pelisser

Almoçamos no espaço que reproduz os salões de colônia. O cardápio ali é sopa de capeletti, macarrão ao molho de salame, tórtei com molho de frango, lasanha de carne, nhoque ao molho branco, espaguete ao molho de tomate seco, espaguete à carbonara, acompanhado de pão, polenta frita, pien (lá eles chamam de pescoço recheado), frango à passarinho, saladas de radicci com cebola e de alface com tomate, mais uma mini pizza individual de chocolate com confetes de sobremesa. Para beber, as opções são água mineral ou suco de uva tinto de 300 ml ou uma taça de vinho branco ou tinto. Como deu para perceber, o almoço é beeeem farto e com muita massa, da entrada à sobremesa!

Moinho Franscescatto continua moendo milho com roda d’água. Foto: Kelly Pelisser

À convite da Fenamassa, visitamos ainda dois pontos no interior do município. Primeiro, o Moinho Franscescatto, uma edificação de 1930 que na década seguinte foi transformada em um moinho que funciona até hoje movido por uma roda d’água. Dona Catarina Francescatto, de 72 anos, mora e trabalha sozinha no local, após ter ficado viúva. Ela mostra aos visitantes como funciona o trabalho de moer milho à maneira antiga e tem um caderninho com os pedidos anotados à mão, assim como a tabela de preços. A visita custa R$ 5 e pode ser agendada pelo telefone (54) 3293.3207.

Dona Catarina, 72 anos, toca sozinha o moinho. Foto: Kelly Pelisser

Depois, visitamos a agroindústria e propriedade de orgânicos Pérola da Terra. O casal de agricultores Joce Pontel e Volmir Forlin foram pioneiros no cultivo de orgânicos há mais de 20 anos. Eles produzem sucos integrais, néctares de frutas, molho de tomate, purê de frutas e um melado de maçã (dá para usar para adoçar bebidas ou iogurte ou como molho para salada). Comprei um suco de maçã e um purê de frutas com maracujá, pitaya e maçã. Nada leva açúcar ou qualquer outro ingrediente, e tudo é muito docinho e gostoso. Nas estufas, os morangos e os tomates ouvem música. E estão estudando para que as uvas ouçam também. Os morangos estavam com música clássica quando visitamos, mas, em outras colheitas, eles já ouviram rock pesado, estilo Black Sabbath. A explicação é que eles crescem maiores e mais saudáveis com ritmos musicais. Dá para conferir mais detalhes, no site do Pérola da Terra.

Morangos ouvem música na propriedade de orgânicos Pérola da Terra. Foto: Kelly Pelisser

Antônio Prado é uma cidade encantadora. A visita vale demais, ainda mais nesse período de Fenamassa. Comer lá, passear pelos estandes e depois caminhar pelo centro histórico é um programa realmente imperdível!

A Fenamassa é um passeio imperdível. Foto: Kelly Pelisser

 

Fenamassa

Onde: Centro Histórico de Antônio Prado, RS

Quando: ainda de 15 a 19 de novembro de 2017

Horários: no feriado, sábado e domingo, das 10h às 22h, na quinta e sexta, das 18h às 22h.

Quanto: entrada gratuita

Mais: site e Facebook

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s