Varanda do Bolo, de Caxias do Sul (RS), terá rodízio de bolos nesse sábado

O bolo formigueiro é uma das atrações do rodízio de bolos da Varanda. Foto: Juliano Menegatto, divulgação

Para tudo! A Varanda do Bolo, de Caxias do Sul (RS), terá nesse sábado, dia 2 de dezembro, a primeira edição do Rodízio de Bolos Caseiros. Sim, você leu direito! Um open de bolo por R$ 25!!! A função terá 13 sabores de bolos, sendo dois deles salgados, para consumir à vontade, além de incluir chá gelado, café, água aromatizada e uma taça de espumante.

Os sabores de bolos são: formigueiro com calda de chocolate; laranja com açúcar de confeiteiro; limão com fondant; integral e banana; cenoura com brigadeiro; red velvet com fondant; maçã; fubá com goiabada; chocolate com calda de chocolate; prestígio com coco e calda de chocolate; bolo churros; palmito; prosciuto.

Os ingressos podem ser adquiridos no balcão ou pelo site da Varanda. Serão cinco opções de horários, com sessões do rodízio de bolos: a primeira às 9h, depois 10h30min, 14h, 15h30min, e a última às 17h.

E já adianto que vem mais novidades por aí: a empresa já está projetando o lançamento de um deck externo para este verão.

 

O quê: Rodízio de Bolos

Quando: dia 02.12, sábado. Sessões de Rodízio: 9h às 10h30min; 10h30min às 12h; 14h às 15h30min; 15h30min às 17h; 17h às 18h30min

Onde: Varanda do Bolo, na Rua Vereador Mário Pezzi, 662, sala 01, entre a Avenida Julio de Castilhos e a Pinheiro Machado, Centro.

Ingressos: R$ 25 por pessoa. Podem ser adquiridos na loja ou pelo site www.varandadobolo.com.br

Menu: formigueiro com calda de chocolate; laranja com açúcar de confeiteiro; limão com fondant; integral e banana; cenoura com brigadeiro; red velvet com fondant; maçã; fubá com goiabada; chocolate com calda de chocolate; prestígio com coco e calda de chocolate; bolo churros; palmito; prosciuto.

Anúncios

Parque Temático Epopeia Italiana, em Bento Gonçalves (RS)

Imagens na fachada externa são novidades no parque. Foto: Kelly Pelisser

Primeiro cenário tem cartazes. Foto: Kelly Pelisser

Fui conhecer as novidades do Parque Temático Epopeia Italiana, em Bento Gonçalves (RS). O empreendimento é uma espécie de museu da imigração italiana no Rio Grande do Sul que já existe há 14 anos, mas foi agora reformulado. Com a ajuda de cenários, um filme e um ator que conduz os visitantes, a história do casal Rosa e Lázaro Giordani, que saiu da Itália em busca de uma vida melhor no Brasil, é recontada.

Vila italiana é reproduzida. Foto: Kelly Pelisser

A reforma foi feita por uma empresa especializada de Canela (RS), a D’Arte Multiarte, e envolveu 50 pessoas, que trabalharam na parte da noite, já que o parque não fechou em nenhum momento para a revitalização. O sistema de som e luz é totalmente novo, assim como o filme que é exibido em trechos ao longo do percurso. As falas do ator que interpreta Lázaro e conduz os visitantes também são novas, da mesma forma que algumas casas e detalhes dos cenários, que ficaram mais humanizados – como essa empresa de Canela destacou – com roupas nos varais, por exemplo, para dar uma cara de algo mais real. Outra novidade são uns painéis lindos com fotos no lado externo do parque.

Cenário onde neva artificialmente. Foto: Kelly Pelisser

Ator que interpreta Lázaro conta a história da construção da casa em Bento Gonçalves. Foto: Kelly Pelisser

Uma das casas tem parte aberta para mostrar o interior. Foto: Kelly Pelisser

O passeio é feito em horários determinados e o melhor, segundo a Giordani Turismo que opera a atração, é agendar com antecedência. A duração é de cerca de meia hora. No primeiro espaço, onde estão cartazes que reproduzem as propagandas sobre a América e roupas de época, o visitante vê um trecho que resume a história da imigração italiana com imagens antigas. A partir de então, é conduzido pelo guia-ator que interpreta Lázaro, que primeiro para em um cenário que reproduz uma vila italiana, com igrejinha e fonte (bem típica. Quem conhece a Itália identifica na hora). A seguir, seguem todos para um segundo cenário, que representa uma casa de interior na Itália, onde neva artificialmente por alguns instantes, dando um efeito muito bonito. Ali, os visitantes sentam para ver a primeira parte do vídeo que conta a história dos sonhos de Lázaro e Rosa. Na sequência, os turistas entram em um cenário-navio, com telas que primeiro reproduzem o mar e depois dão sequência à história do jovem casal de imigrantes. O próximo local mostra uma mata fechada, tal e qual os italianos encontraram quando chegaram na Serra gaúcha. Em seguida, passa-se a uma pequena vila que remonta as casas construídas pelos imigrantes. Seguindo, está a reprodução do centro de Bento Gonçalves em épocas passadas (mas já com a igreja Santo Antônio e várias casas que existem até hoje). Por fim, há um último cenário com um coreto, onde é feita a despedida. Ali, há uma loja de souvenirs, um espaço para tirar fotos com roupas de época e também está uma foto do casal Rosa e Lázaro de verdade, que são bisavós da família proprietária do empreendimento, junto com um baú que eles trouxeram da Itália.

Cenário reproduz Bento Gonçalves de antigamente, mas já com a igreja Santo Antônio. Foto: Kelly Pelisser

O texto da história é bem otimista, embora cite algumas das dificuldades encontradas pelos italianos nas novas terras. Os cenários são bonitos e bem estruturados. Para quem não conhece a história da imigração vale para ter um resumo. Para quem já conhece vale pela estruturação cênica.

Baú é o original trazido pelos imigrantes Rosa e Lázaro da Itália. Foto: Kelly Pelisser

Foto de Rosa e Lázaro reais. Foto: Kelly Pelisser

 

Parque Temático Epopeia Italiana

Onde fica: Rua Visconde de São Gabriel , 507, bairro Cidade Alta, Bento Gonçalves, RS

Horários: diariamente, das 8h às 18h

Ingressos: R$ 25 (crianças até cinco anos não pagam. A partir de 6 anos, a entrada é o preço normal)

Mais: site e Facebook

 

 

Lechuga Veg, em Caxias do Sul (RS)

Mushburger e suco de laranja. Foto: Kelly Pelisser

Conheci o Lechuga, que é uma casa de burgers veganos em Caxias do Sul (RS). Eles atendem no bairro Pio X (onde foi o Mestre Pancho) para almoço de terça a sexta e à noite nesses dias e também aos sábados e domingos. O cardápio tem burgers, petiscos e sobremesas apenas utilizando itens sem carne ou derivados de animais. Para beber, as opções são suco, chá gelado e chopp. Os burgers saem por R$ 22 e vem com pães de beterraba, moranga, azeitona, australiano ou de malte de cerveja. O burger em si pode ser de grão de bico, feijão, seitan (também conhecido como carne de glúten ou carne vegetal), ervilha com cogumelo ou lentilha com alho poró. Junto no pão vem ainda itens como maionese de creme de soja e legumes ou verduras. É possível adicionar itens extras, por R$ 2,50 cada, como bacon vegano, queijo vegano ou cebola caramelizada.

Já as porções são itens como batata frita, aipim frito, coxinhas com jaca ou brócolis, batata doce frita, entre outros, que variam de R$ 11 a R$ 15. Para sobremesa, tem porção de churros, brownie de cacau, sorvete, cocada de maracujá, fondue de frutas ou açaí, que custam entre R$ 15 e R$ 16,50 cada.

Eu almocei lá e optei pelo mushburger, que vem com pão australiano, burger de ervilha com cogumelo, maionese de creme de soja com mostarda e melado, alface, rúcula, tomate e broto de alfafa. Para acompanhar, um suco de laranja. O pão é super fofinho e bem alto. Achei difícil de comer com a mão, ainda mais porque o burger esfarela. Eles te trazem talheres na mesa só se você pedir. Do burger e do suco, paguei R$ 29. Fiquei curiosa pelas sobremesas, mas acabei não provando nesse dia.

O lugar é bem simpático, com sofás grandes e almofadas, e um quadro com frases em espanhol e português. É uma opção interessante para quem é vegano, vegetariano ou apenas quer provar algo diferente.

 

Lechuga Veg

Onde fica: Rua Floriano Prezzi, 1217, sala 04 (próximo da Rua Matteo Gianella), bairro Pio X, Caxias do Sul, RS

Horários: de terça à sexta-feira, das 11h30min às 13h30min e das 18h30min às 22h30min, e aos sábados e domingos, das 18h às 23h

Mais: site e Facebook

 

Fenamassa 2017, em Antônio Prado (RS)

Igreja de Antônio Prado é super lindinha também. Foto: Kelly Pelisser

Fui visitar a Fenamassa 2017 em Antônio Prado, RS. O Festival Nacional da Massa começou neste findi e segue entre os dias 15 e 19 de novembro (entre o feriado e domingo). Toda a função rola na praça central, no entorno das casas históricas, com entrada gratuita. Um toldo gigante foi colocado para abrigar a festa, mas as laterais são abertas, o que dá uma cara muito legal, de evento ao ar livre, ainda mais com o cenário dos casarios ali perto. Lembra muito eventos gastronômicos da Europa. Nos oito dias do festival, são esperadas 25 mil pessoas, bem mais do que o número de habitantes da cidade, 13 mil.

Almoço servido no restaurante que reproduz salões de colônia. Foto: Kelly Pelisser

Antônio Prado tem 46 empresas formais que produzem massas. E a cidade é uma graça só. O Centro é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por causa de 46 construções do início do século passado. A mais linda é a edificação de madeira de dois andares amarela, a Casa da Neni, que hoje abriga o Museu Municipal (dá para visitar de graça). Outra que vale a visita é a Casa de Artesanato, onde eu me encantei pelo trabalho em renda chamado frivoletê, que só tem em Antônio Prado ainda. A maioria das edificações antigas abriga pontos comerciais atualmente.

O chafariz tá lá embaixo do toldo da Fenamassa. Foto: Kelly Pelisser

Ali bem ladinho, a Fenamassa conta com 55 expositores de produtos diversos, incluindo quatro vinícolas da cidade, mais cinco restaurantes que são a alma do evento. Um deles reproduz os típicos almoços de colônia e os outros quatro têm um cardápio composto por vários tipos de diferentes de massas (óbvio), que variam conforme o dia e não são iguais de um para outro. O preço é fixo em todos, R$ 45 por pessoa, no sistema de rodízio (você senta e é servido na mesa, podendo repetir), com direito a uma bebida por pessoa. Há também a opção empratado, por R$ 35 por pessoa, quando vem um prato pronto apenas. Ao todo, são 600 lugares, que servem refeições durante todo o horário de atendimento da feira (no feriado, sábado e domingo, das 10h às 22h, na quinta e sexta, das 18h às 22h).

São cinco restaurantes, cada um com um cardápio com muuuuita massa. Foto: Kelly Pelisser

Nos estandes que vendem massa fresca, a dica é procurar pelo que eles chamam de pipoca de gringo, que nada mais é do que agnoline (ou capeletti) frito. É bem gostoso, estilo salgadinho ou petisco. Para quem é intolerante a glúten, há, no espaço dos expositores, uma empresa de produtos glúten free, a Alecrim, que serve lanches, como pizzas e salgados. O festival oferece ainda oficinas gastronômicas gratuitas e um espaço muito legal chamado Mão na Massa, onde noninhas ensinam como sovar massa, fechar capeletti e fazer bíguli. Há ainda shows locais e estaduais, sempre com entrada franca. Outra atração é um passeio turístico pelo centro histórico num ônibus antigo, com saída de hora em hora, por R$ 15 por pessoa. Tem ainda uns eventos especiais, como no sábado passado, quando acompanhamos uma competição de quem comia mais tortéis. O vencedor, Francisco Tormena, comeu 128 tortéis no período de duas horas (sim, 128 tortéis! Acreditem! Eu nunca mais ia querer ver essa massa na vida, mas ele disse que vai se preparar para comer 150 na próxima edição).

Espaço Mão na Massa é muito legal. Foto: Kelly Pelisser

Almoçamos no espaço que reproduz os salões de colônia. O cardápio ali é sopa de capeletti, macarrão ao molho de salame, tórtei com molho de frango, lasanha de carne, nhoque ao molho branco, espaguete ao molho de tomate seco, espaguete à carbonara, acompanhado de pão, polenta frita, pien (lá eles chamam de pescoço recheado), frango à passarinho, saladas de radicci com cebola e de alface com tomate, mais uma mini pizza individual de chocolate com confetes de sobremesa. Para beber, as opções são água mineral ou suco de uva tinto de 300 ml ou uma taça de vinho branco ou tinto. Como deu para perceber, o almoço é beeeem farto e com muita massa, da entrada à sobremesa!

Moinho Franscescatto continua moendo milho com roda d’água. Foto: Kelly Pelisser

À convite da Fenamassa, visitamos ainda dois pontos no interior do município. Primeiro, o Moinho Franscescatto, uma edificação de 1930 que na década seguinte foi transformada em um moinho que funciona até hoje movido por uma roda d’água. Dona Catarina Francescatto, de 72 anos, mora e trabalha sozinha no local, após ter ficado viúva. Ela mostra aos visitantes como funciona o trabalho de moer milho à maneira antiga e tem um caderninho com os pedidos anotados à mão, assim como a tabela de preços. A visita custa R$ 5 e pode ser agendada pelo telefone (54) 3293.3207.

Dona Catarina, 72 anos, toca sozinha o moinho. Foto: Kelly Pelisser

Depois, visitamos a agroindústria e propriedade de orgânicos Pérola da Terra. O casal de agricultores Joce Pontel e Volmir Forlin foram pioneiros no cultivo de orgânicos há mais de 20 anos. Eles produzem sucos integrais, néctares de frutas, molho de tomate, purê de frutas e um melado de maçã (dá para usar para adoçar bebidas ou iogurte ou como molho para salada). Comprei um suco de maçã e um purê de frutas com maracujá, pitaya e maçã. Nada leva açúcar ou qualquer outro ingrediente, e tudo é muito docinho e gostoso. Nas estufas, os morangos e os tomates ouvem música. E estão estudando para que as uvas ouçam também. Os morangos estavam com música clássica quando visitamos, mas, em outras colheitas, eles já ouviram rock pesado, estilo Black Sabbath. A explicação é que eles crescem maiores e mais saudáveis com ritmos musicais. Dá para conferir mais detalhes, no site do Pérola da Terra.

Morangos ouvem música na propriedade de orgânicos Pérola da Terra. Foto: Kelly Pelisser

Antônio Prado é uma cidade encantadora. A visita vale demais, ainda mais nesse período de Fenamassa. Comer lá, passear pelos estandes e depois caminhar pelo centro histórico é um programa realmente imperdível!

A Fenamassa é um passeio imperdível. Foto: Kelly Pelisser

 

Fenamassa

Onde: Centro Histórico de Antônio Prado, RS

Quando: ainda de 15 a 19 de novembro de 2017

Horários: no feriado, sábado e domingo, das 10h às 22h, na quinta e sexta, das 18h às 22h.

Quanto: entrada gratuita

Mais: site e Facebook

 

 

Bruce Burger Brasil, em Caxias do Sul (RS)

Combo pequeno com burger, batata frita e refrigerante. Foto: Kelly Pelisser

A Bruce Burger Brasil é uma novidade bem no centrão de Caxias do Sul (RS), pertinho do Parque dos Macaquinhos. Tem cara bem de lanchonete de fast food: pedidos são feitos no caixa e depois você aguarda ser chamado por um número no display para retirar. Dá tanto para comer ali quanto para levar o lanche num saquinho. Eles mesmo dizem que não fazem hambúrguer gourmet, mas hambúrguer como deve ser. São oito opções, algumas com uns itens um pouco mais incrementados, mas nada de ingredientes super diferentes. Os preços dos burgers são R$ 10 ou R$ 15. Também tem batatas fritas. Para beber, as opções são simples também, refrigerante, cerveja ou água, além de café ou milk shake. Para sobremesa, tem sonho de doce de leite ou Nutella.

Quem optar pelo combo com um burger, fritas pequenas e o copo de refri pequeno paga R$ 20. Já a opção com fritas e refrigerante grandes fica por R$ 25. Se a opção for combo com cerveja, sai por R$ 28 com os itens pequenos ou R$ 38 com os grandes. Achei bem bons os preços dos combos. Outra vantagem é que fica aberto o dia todo, das 11h30min às 22h30min de segunda a sábado. Ou seja, dá para almoçar a qualquer horário, lanchar ou jantar.

O lugar é pequeninho, com quatro mesas mais uma bancada compartilhada, ou uns tonéis para comer de pé na calçada. Eu fui na hora do meio-dia, e por ficar perto de colégios, estava muito lotado com adolescentes estudantes. Pedi o combo de burger, batata e refri pequeno (esse dos R$ 20). Dá para escolher qualquer um dos burgers. Eu peguei o Bruce BBQ, que vem com pão brioche, hambúrguer angus 120 gramas, queijo cheddar, queijo lanche, molho barbecue e bacon. Para citar algumas outras opções: tem com geleia de bacon, de frango, e, para quem não come carne, um com cogumelos, queijo lanche, alface, tomate e cebola roxa. Por estar lotado, até que não demorou tanto para chegar o pedido. As batatas eram bem crocantes, o pão do hambúrguer bem fofinho, e a combinação dos ingredientes, bem gostosa. Só para mim, que como muito (ahaha), achei um pouco pequeno esse combo menor para o almoço. Talvez para um lanche, estaria mais ok. Ahah. Mas, lembrando que, no grande, o que muda são as batatas e o refrigerante.

Curti o lugar e o produtos. Lembra muito umas casas de lanche rápidos na Europa (deve ter também nos EUA, mas lá não conheço). É bem o básico, mas bem feito, e num ambiente bacana. Quero voltar mais vezes.

 

Bruce Burger Brasil

Onde fica: Rua Doutor Montaury, 1552 (entre a rua Os 18 do Forte e a Avenida da Vindima, uma quadra antes do Parque dos Macaquinhos), Centro, Caxias do Sul, RS

Horários: de segunda a sábado, das 11h30min às 22h30min

Mais: Facebook

 

Feira Caxias sem Glúten é neste sábado

Um dos posts mais lidos do blog é essa listinha sobre lugares com produtos sem glúten e sem lactose na Serra gaúcha. Para quem não consome glúten, seja por dieta ou por doença celíaca, tem um programa imperdível nesse sábado, dia 11 de novembro, no Shopping San Pelegrino, em Caxias do Sul. Por lá vai rolar o Caxias sem Glúten, que é uma feira de produtos sem glúten organizada pela relações públicas Priscíla Palavro e pela tecnóloga em alimentos Karine Cearon.

A primeira edição contará com expositores e apoiadores apresentando os seus produtos, com degustação e venda. O horário de funcionamento é o mesmo do shopping, entre 10h e 22h, com entrada gratuita.

A doença celíaca afeta 1% da população mundial. Ela é uma doença autoimune que provoca diversas lesões em vários órgãos e tecidos. Em casos extremos, pode levar à morte. Pacientes que possuem doença celíaca não podem consumir nenhum tipo de alimento que contenha glúten (proteína presente no trigo, cevada, aveia e centeio). A vice-presidente da Associação dos Celíacos do Brasil (Acelbra-RS) e secretária executiva da Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenacelbra), Ester Benatti, estará no evento para um bate papo sobre a doença celíaca.

 

Caxias sem Glúten

Quando: 11 de novembro, sábado

Horário: das 10h às 22h

Onde: hall de entrada do Shopping San Pelegrino, em Caxias do Sul

Quanto: entrada gratuita

Mais informações: https://www.facebook.com/caxiassemgluten/