Sorvete ao forno e outras novidades do Baitakão, em Caxias do Sul (RS)

sorvete ao forno baitakão

Esse é o sorvete ao forno: simplesmente demais! Foto: Kelly Pelisser

Acredito que todo caxiense conheça o Baitakão, uma das mais tradicionais casas de lanches da cidade, mas o restaurante, que abre todo santo dia (incluindo domingos e feriados) para almoço e janta, está com novidades no cardápio que estrearam nesse mês de junho. As principais são a inclusão de sobremesas e também de salmão no menu. Se você é do tradicional, o cachorro-quente, o xis e o bauru continuam lá. Ah, e para quem não sabe, de meio-dia, tem buffet a quilo.

salmão Baitakão

Esse é o salmão à moda do chef, com arroz, salada e molho de maracujá. Foto: Kelly Pelisser

Bom, mas vamos às novidades. Provei primeiro o salmão à moda do chef. Ele vem acompanhado de arroz branco, batatas ao vapor, molho de maracujá e salada de folhas verdes e cenoura. O legal do Baitakão é que as porções têm três tamanhos, o inteiro (para várias pessoas), o 2/3 (para um casal) e o junior (para uma pessoa). No caso do prato de salmão, o inteiro custa R$ 68,5, o 2/3 sai por R$ 54,8 e o junior, R$ 34,25. Arroz soltinho, salmão bem cozido, salada fresquinha. Só uma dica: o molho de maracujá é um pouco forte. Pode colocar um pouquinho só. Ele vem num potinho separado. Você não precisa usá-lo, se não quiser. É uma opção interessante se você for da turma saudável e não quiser encarar um xis.

A minha grande expectativa era para a sobremesa: sorvete ao forno! Eu amo sorvete e ainda mais ao forno. A receita do Baitakão é uma parceria com a Sorvelândia, marca também caxiense. A sobremesa chega numa cumbuca, com frutas ao fundo, sorvete de creme, e marshmallow assado por cima, coberto com calda de morango e mais um morango em cima para enfeitar. Sim, é muito, muito bom! Esse custa R$ 13,9. Se você não estiver com tanta vontade, dá até para dividir com outra pessoa (eu não divido o meu. Ahaha).

Não provei, mas essa é a taça máximo, que tem uma cara ótima! É ganache e morangos. Foto: Paulo Scola, divulgação

Não provei, mas essa é a taça máximo, que tem uma cara ótima! É ganache e morangos. Foto: Paulo Scola, divulgação

Não provei, mas no catálogo de sobremesas, há outras opções que também são novidade. Tem petit gateau, por R$ 12,9. A taça máximo, com ganache de chocolate, morangos e sorvete no palito Máximo (também da Sorvelândia), por R$ 14,9. Para a criançada, a novidade é a taça palhaço, com sorvete de morango, confetes, casquinha (que vira o ‘chapéu’ do palhaço) e chantilly, por R$ 11,9.

sorvete Baitakão

Essa tbm eu não experimentei, mas parece legal para a criançada: taça palhaço. Foto: Paulo Scola, divulgação

Se a ideia for happy hour, também há coisas novas: mini tábua de frios por R$ 22,4, porção de pastéis (com oito, de camarão, queijo ou carne) por $ 10, ou bolinho de feijoada ou bacalhau (oito unidades) por R$ 16,6. E a casa está com uma promoção que vai até setembro: entre 18h e 20h, você pede uma bebida e leva outra na hora de graça. Vale para chopp, caipiras, drinks e bebidas alcoólicas quentes (como whisky). Vi vantagem! Hehe. Mas, ó, se eu puder dar um conselho: o sorvete ao forno vale demais a pena provar! Legal como o Baitakão, que nasceu em 1972 na Festa da Uva como um trailer de cachorro-quente, consegue se reinventar.

 

 

Baitakão

Onde: Rua Sinimbu, 175 (quase já chegando na BR-116), bairro Lourdes, Caxias do Sul, RS

Horários: todos os dias, incluindo domingos e feriados, das 11h às 14h30min e das 18h à meia-noite.

Mais: site e Facebook

 

 

Anúncios

Pane & Salute, Caxias do Sul (RS)

pane e salute caxias pães

É difícil escolher entre tanta variedade. Foto: Kelly Pelisser

Talvez você já conheça a Pane & Salute por ter visto ou comprado os pães da marca em algum estabelecimento em Caxias do Sul (RS). Pois saiba que eles também têm loja própria no bairro Exposição, inaugurada há pouco. A proposta são pães artesanais, com farinha importada da França, orgânica e sem nenhum tipo de aditivo, e fermentação natural, sem uso de fermento biológico, e com tudo feito à mão. Sim, é o resgate da panificação tradicional. A loja é inspirada nas boulangeries francesas e com várias opções típicas da Europa. Os pães e doces variam conforme o dia, mas sempre tem integral (em dois tamanhos, de 300 gr e de 500 gr), baguete (que segue a receita tradicional francesa para poder ser chamado de baguete) e um pão exclusivo da casa chamado choconocci (com cacau, castanha do Pará, gotas de chocolate e mel).

No dia em que eu fui visitar a padaria, também tinha pão italiano grande e pequeninho, pão Viena, multigrãos, e pão com azeitonas. De doces, tinha bolo de cenoura com chocolate, bolo de laranja, tortinha de nozes, tortinha de chocolate, torta de limão e rocambole com goiabada. Mais perto do fim de semana, me disseram que tem focaccia. Os preços variam de R$ 2 a R$ 13 para os pães. Os doces, entre R$ 3,5 e R$ 18. A loja é pequeninha e um vidro permite ver a parte de panificação. O cheiro é incrível ao entrar, de pão quentinho e gostoso. Uma prateleira também tem itens de fora vendidos na casa, como leite, espumantes e patê de berinjelas assadas.

doces

Doces:: bolo de cenoura com chocolate, tortinha com nozes, tortinha de chocolate (que eu comprei), bolo de laranja e torta de limão. Foto: Kelly Pelisser

Confesso que foi bem difícil escolher, já que tudo parecia muito bom. Optei por uma baguete, um pão integral grande, um pão choconocci e uma tortinha. A conta deu R$ 38. A baguete, eu já fui comendo um pedaço pelo caminho pra casa porque não resisti. Hehe. Depois, fiz um sanduíche com um pedaço dela (é daquelas beeem grandes). A tortinha que escolhi tem massa feita com cacau e creme de chocolate belga meio amargo com uma cereja decorando. Maravilhosa! Eu não gosto de itens muito doces e essa realmente não é tão doce, tem um sabor super equilibrado. O pão choconocci é incrível! Comi metade puro de uma tacada só! Ahaha. Não é muito doce. A parte mais doce são as gotas de chocolate (em abundância). As castanhas são em pedaços grandes. O sabor é tudo de bom! É pão (daria para passar algum acompanhamento), mas dá para comer, assim, puro também. O integral é igualmente bem interessante. Ah, eles têm teleentrega também ao custo de R$ 6. Adorei mesmo a loja! Deu muita saudade daquelas da Europa.

 

Pane & Salute

Onde: Rua Garibaldi, 1360 (quase chegando na Tronca), Caxias do Sul, RS

Horários: de terça a sexta, das 14h às 20h, e sábados, do meio-dia às 19h.

Mais: Facebook

 

Ricordare, em Bento Gonçalves (RS)

Café ricordare, bento gonçalves

Decoração evoca lembranças. Foto: Kelly Pelisser

 

===== ATUALIZAÇÃO: O CAFÉ FOI FECHADO =======================

O Ricordare é um café que inaugurou há cerca de dois meses na Avenida Planalto, em Bento Gonçalves (RS). Dirigido por um casal de jornalistas que já morou na Europa, a proposta do espaço é levar um pouco dos sabores do velho continente, especialmente da Itália, aos clientes. A decoração é marcada por objetos que falam sobre lembranças de outros tempos. O cardápio tem cafés, chás, paninis, crepes, pizzas e gelato (o sorvete italiano).

panino suco panini

Escolhi o panino Ricordare e suco de limão. Foto: Kelly Pelisser

Nos cafés, variedades de expressos, mais macchiato, australiano, cappuccino, mocaccino, vienense, latte, latte alla nocciola, affogato (com sorvete), irlandês (com whisky) e chocolate quente. Os preços estão entre R$ 5,5 e R$ 22,5. Há dois tipos de paninis (aqueles sanduíches tradicionais italianos), um chamado Ricordare, que tem prosciutto, provolone, rúcula e tomate cereja, que sai por R$ 20. E outro chamado Colonial, que tem salame ou peperoni, muzzarela, rúcula e tomate cereja, que custa R$ 18. Há opções de crepes doces e salgadas, que custam entre R$ 10,50 e R$ 25. Os doces levam ingredientes como banana, Nutella, chocolate belga, morango, nozes e leite condensado. Os salgados vêm com queijo, salame, pepperoni, prosciutto, entre outros. Para beber, também tem refrigerante, suco natural, vinhos, espumante e cervejas artesanais e importadas.

crepe de chocolate belga

Também provei o crepe de chocolate belga. Foto: Kelly Pelisser

Eu almocei lá na primeira sexta-feira em que o espaço abriu ao meio-dia. Escolhi o panino Ricordare, com prosciutto, e suco de limão, mais um crepe de chocolate belga como sobremesa. O panino, assim como os outros pedidos, foram montados na hora. O atendimento é super cordial. A conta saiu por R$ 43.

===== ATUALIZAÇÃO: O CAFÉ FOI FECHADO =======================

Ricordare

Onde: Av. Planalto, 1029 (fica perto da igreja em forma de pipa), Bento Gonçalves, RS

Horários: terça a quinta, das 14h às 20h, sexta, do meio-dia às 21h, sábado, das 14h às 21h, e domingo, das 15h às 20h.

Mais: site e Facebook

===== ATUALIZAÇÃO: O CAFÉ FOI FECHADO =======================

 

Almoço no restaurante da Vinícola Monte Reale, em Flores da Cunha (RS)

Monte Reale

Do restaurante da Monte Reale, dá para ver as barricas. Foto: Kelly Pelisser

A Monte Reale, vinícola localizada bem na entrada de Flores da Cunha, está se consolidando como um espaço para eventos e para festas sunset. Mas, também tem um restaurante que atende ao público todos os domingos para almoços. Eventualmente, são realizados jantares em noites especiais.

No almoço, o cardápio é o típico italiano, sopa de agnoline, saladas, tortéi, maionese, spaghetti, galeto ao primo canto, bife à milanesa, e, de sobremesa, sagu com creme. O preço é R$ 55 por pessoa, fora a bebida. O almoço é servido numa antessala da vinícola. Você almoça com a visão de barricas e tanques de alumínio.

restaurante vinícola Monte Reale

Cardápio servido no restaurante aos domingos é o típico italiano. Foto: Kelly Pelisser

A vinícola está passando por um processo de transformação para a produção também de cerveja artesanal e chopp. O chopp deve começar a ser vendido em dois meses. A cerveja deve ser lançada ainda neste ano. A reforma inclui ainda a construção de um bar, que atenderá ao público com venda de cerveja e vinho. Também o espaço para eventos deve ser ampliado. A produção da bebida feita de uva não deve ser reduzida porque a empresa tem outros dois pontos de vinificação, um em Flores da Cunha e outro em Caxias do Sul. A ideia de produzir cerveja surgiu pelo boom do setor e também porque, em muitos eventos na vinícola, os contratantes pedem cerveja porque nem todos os convidados bebem vinho.

Outro projeto que deve ser retomado no futuro é a construção de uma pousada nos fundos da vinícola. Ela chegou a ser iniciada, mas foi paralisada. A pousada é ligada à vinícola por meio da cave subterrânea, onde os vinhos e espumantes descansam. E tudo isso fica na área urbana do município.

 

Vinícola Monte Reale

Onde: Avenida 25 de Julho, 5005, Flores da Cunha, RS

Horários: varejo, de segunda à sexta, das 8h às 11h30min e das 13h30min às 17h30min, sábados, das 10h às 18h, e domingos, as 9h30min às 13h30min. Restaurante, domingos, ao meio-dia.

Mais: site e Facebook

 

 

Casa Bucco, em Bento Gonçalves (RS)

 

Casa bucco

Produtos oferecidos na degustação da Casa Bucco. Foto: Kelly Pelisser

As cachaças e graspas da Casa Bucco, de Bento Gonçalves, estão há 15 anos no mercado, mas a família produz desde a chegada os imigrantes ao Brasil. A propriedade fica no Vale do Rio das Antas, pertinho da ponte que liga Bento a Veranópolis. Além da cachaçaria, há uma pousada e um restaurante, que atende apenas grupos sob agendamento. O visitante pode conhecer o processo de fabricação e provar os produtos gratuitamente.

Casa Bucco

Visitante pode conhecer processo de fabricação da cachaça. Foto: Kelly Pelisser

Na pousada, são quatro apartamentos com banheiro de hidromassagem. O valor da diária é R$ 295 durante a maior parte do ano e R$ 350 na alta temporada. Já está incluído um open bar dos produtos Casa Bucco, inclusive com caipirinhas. A casa oferece também colazzione, o café da manhã típico dos descendentes de italiano, por R$ 26 por pessoa, sob agendamento.

Casa Bucco Vale das Antas

Da Casa Bucco se avista a ponte do Rio das Antas. Foto: Kelly Pelisser

Na propriedade, estão plantados 11,5 hectares de cana para a produção de cachaça sob o conceito de agricultura orgânica. Os controladores de insetos, por exemplo, são galinhas d’Angola. É possível fazer trilhas, com guias, pela mata com duração de três horas, passando por pomares, cascata e túneis da ferrovia. As cascas de uva para produção de graspa (ou grappa) são adquiridas de vinícolas.

Casa Bucco cachaça

Cachaça é orgânica e envelhece em madeira. Foto: Kelly Pelisser

São 14 rótulos de cachaça que a Casa Bucco oferece, desde a branca até as envelhecidas por períodos entre um e seis anos. A de maior maturação leva o mesmo nome da marca principal. Há uma delas que é envelhecida em cinco madeiras diferentes. A produção é de 80 mil litros de cachaça e três mil litros de graspa.  Nesse ano, também serão lançadas as primeiras 2,5 mil garrafas de brandy da marca. A produção é enviada para todo país e também vendida para Alemanha, Suíça e Luxemburgo. Há ainda licores, como um licor de cachaça, e um que eu adorei chamado Fascínio, de vinho do porto com especiarias. A visitação e degustação são gratuitas e podem ser feita diariamente das 9h às 17h30min. Ali funciona uma loja que também vende os produtos. Participei de uma degustação com boa parte das cachaças e licores. Tudo é muito bom (e olha que não sou tanto da cachaça). Provamos também três caipirinhas preparadas com os produtos Casa Bucco: de limão (a melhor que já experimentei na vida), de lima (bem interessante também) e de banana (que eu nunca tinha provado e simplesmente amei!).

caipirinha de banana com cachaça casa bucco

Caipirinha de banana com cachaça da Casa Bucco é uma delícia! Foto: Kelly Pelisser

 

 

Casa Bucco

Onde: BR-470, Km 194,3, distrito de Tuiuty, Vale do Rio das Antas, Bento Gonçalves, RS

Horários: visitação e degustação, todos os dias, das 9h às 17h30min

Mais: site e Facebook

 

 

Restaurante Pignatella, em Bento Gonçalves (RS)

restaurante pignatella

O restaurante serve comida típica do Tirol todos os dias. Foto: Kelly Pelisser

O restaurante Pignatella nasceu a partir da necessidade de o roteiro turístico de Faria Lemos, Tuiuty e Vale dos Antas, em Bento Gonçalves, oferecer um local para os turistas almoçarem. Assim, há sete anos, o espaço que oferece comida típico do Tirol, região que abrange um pedaço da Itália e uma parte da Áustria, foi aberto. O restaurante fica nas proximidades da vinícola Salton, em Tuiuty. Abre todos os dias para almoço, e nas sextas e sábado, também à noite para janta. Oferece ainda café da manhã ou da tarde, sob reserva.

restaurante pignatella

Sequência começa com essa sopa de canederli, bolinhas de pão com salame fresco e salsa. Foto: Kelly Pelisser

O cardápio é uma sequência fixa. Os pratos ou os temperos, ao menos, são diferentes daqueles que você costuma ver em restaurantes italianos no Brasil. Começando pela sopa, que é de canederli. São bolinhas de pão com salame fresco e salsa. O menu foi montado com a colaboração de um amigo da família que estava no Tirol, com adaptações para a culinária brasileira. A escolha dessa parte da Itália se deve ao fato de que muitos dos imigrantes que colonizaram aquele distrito de Bento vieram de lá.

restaurante pignatella

Pratos são servidos na mesa em tigelas: salada, nhoque e costelinha de porco. Foto: Kely Pelisser

O menu tem salada com folhas verdes, tomate, cenoura e pimentão. O arroz servido no restaurante leva espumante. O nhoque tem tomate na massa e leva molho de creme queijo fontinha. A costelinha de porco é regada ao molho de vinho. O contrafilé também é marinado ao vinho tinto e ervas, e vem acompanhado de uma uma salada de batata lessa ao molho de creme de leite, maçã e crem (aquela raiz amarga que os descendentes de italianos ralam para colocar em pratos como sopa). Os cialsons são raviólis que levam ingredientes pouco comuns, mas que não vou contar, porque, no restaurante, eles convidam os clientes a tentar acertar quais são (só uma dica: não é nada que você imagine fácil para raviólis). De sobremesa, pudim de leite com calda de cana de açúcar e um pedaço de torta tirolesa. Os pratos são servidos em tigelas na mesa para que o cliente pegue à vontade. Apenas a sobremesa já vem em pratos individuais. O preço é R$ 65 por pessoa, mais 10% de taxa de serviço, fora a bebida.

contrafilé e batata lessa ao molho de creme de leite, maçã e crem

Contrafilé e salada de batata lessa ao molho de creme de leite, maçã e crem. Foto: Kelly Pelisser

restaurante pignatella

Sobremesa com pudim ao molho de caldo de cana e torta tirolesa. Foto: Kelly Pelisser

Restaurante Pignatella

Onde: estrada principal do distrito de Tuiuty, nas proximidades da vinícola Salton, Bento Gonçalves, RS

Horários: De segunda a domingo, das 11h às 16h. Nas sextas e sábados, também à noite, a partir das 19h.

Mais: site e Facebook

 

 

Vinícola Salvador, em Flores da Cunha (RS)

 

vinicola salvador

Visitante pode degustar produtos de graça. Foto: Kelly Pelisser

A vinícola Salvador fica num prédio lindo, de 1911, bem na área central de Flores da Cunha. O lugar foi um moinho da família Mascarello e depois, ponto de vinificação da vinícola Rio-Grandense, proprietária da marca Granja União. Desde 1977, o prédio estava sem uso. Comprada no final dos anos 1990 pelo enólogo Antônio Salvador, que até então prestava consultoria a vinícolas, a propriedade foi restaurada para abrigar o sonho da família.

A primeira safra de vinhos rotulados com a marca Salvador é de 2008. Em safras normais, são produzidos 220 mil litros de vinho. Os vinhedos são de produtores terceirizados, de Flores da Cunha, Nova Pádua e Caxias do Sul. A produção é destinada metade para vinhos finos e metade para vinhos de mesa. O espumante é charmat, mas no próximo ano, a vinícola também deve contar a bebida produzida pelo método tradicional.

vinicola salvador

Prédio de 1911 foi restaurado para abrigar a vinícola. Foto: Kelly Pelisser

No Rio Grande do Sul, a maior venda é no próprio varejo da vinícola, que abre todos os dias, inclusive em domingos e feriados, para visitação e degustação gratuitas. A família vende também para Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Brasília e Bahia. O atendimento é feito pelos proprietários, pelo Antônio, a mulher o filho Daniel, o que torna a visita ainda mais interessante. A vinícola também tem um espaço lindo para eventos num mezanino, que recentemente ganhou uma lareira. Detalhe: em festas no local, só é permitido o consumo de vinhos da casa, a não ser de bebidas não alcoólicas.

vinicola salvador

Visita é guiada pela própria família. Foto: Kelly Pelisser

 

Vinícola Salvador

Onde: Rua Julio de Castilhos, 1880, Centro, Flores da Cunha, RS

Horários: visitação e varejo, de segunda à sábado, das 9h às 11h50min e das 13h30min às 17h50min, e domingos, das 9h às 11h50min.

Mais: site e Facebook